domingo, 23 de dezembro de 2007

Desejo


Desejo primeiro que você ame,E que amando, também seja amado.E que se não for, seja breve em esquecer.E que esquecendo, não guarde mágoa.Desejo, pois, que não seja assim,Mas se for, saiba ser sem desesperar.
Desejo também que tenha amigos,Que mesmo maus e inconseqüentes,Sejam corajosos e fiéis,E que pelo menos num delesVocê possa confiar sem duvidar.E porque a vida é assim,Desejo ainda que você tenha inimigos.Nem muitos, nem poucos,Mas na medida exata para que, algumas vezes,Você se interpele a respeitoDe suas próprias certezas.E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,Para que você não se sinta demasiado seguro.
Desejo depois que você seja útil,Mas não insubstituível.E que nos maus momentos,Quando não restar mais nada,Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.
Desejo ainda que você seja tolerante,Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,Mas com os que erram muito e irremediavelmente,E que fazendo bom uso dessa tolerância,Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,Não amadureça depressa demais,E que sendo maduro, não insista em rejuvenescerE que sendo velho, não se dedique ao desespero.Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor eÉ preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo por sinal que você seja triste,Não o ano todo, mas apenas um dia.Mas que nesse dia descubraQue o riso diário é bom,O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que você descubra ,Com o máximo de urgência,Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.
Desejo ainda que você afague um gato,Alimente um cuco e ouça o joão-de-barroErguer triunfante o seu canto matinalPorque, assim, você se sentirá bem por nada.
Desejo também que você plante uma semente,Por mais minúscula que seja,E acompanhe o seu crescimento,Para que você saiba de quantasMuitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,Porque é preciso ser prático.E que pelo menos uma vez por anoColoque um pouco deleNa sua frente e diga "Isso é meu",Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.
Desejo também que nenhum de seus afetos morra,Por ele e por você,Mas que se morrer, você possa chorarSem se lamentar e sofrer sem se culpar.
Desejo por fim que você sendo homem,Tenha uma boa mulher,E que sendo mulher,Tenha um bom homemE que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,E quando estiverem exaustos e sorridentes,Ainda haja amor para recomeçar.E se tudo isso acontecer,Não tenho mais nada a te desejar ".
Victor Hugo

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Natal

Jantar de Confraternização Bernadete , Maria,
Benedita, Brazelina e Solange.


Silmara, Emilia , Teresa, Elis Regina e Bernadete.


Emilia, Teresa e Elis Regina.


Professora Cecília e Papai Noel


Papai Noel e Professora Sandra Rozana


Professora Elis de Papai Noel

Fantoche Papai Noel





Enfeites da árvore de Natal





Brilha, brilha estrelinha

Quero ver você brilhar


Faz de conta que é só minha


Só pra ti irei cantar




Brilha, brilha estrelinha

Brilha, brilha lá no céu


Vou ficar aqui dormindo

Pra esperar Papai Noel



terça-feira, 23 de outubro de 2007

Alegria no Trabalho






"Ensinar é o maior dos atos de otimismo" (Colleen Wilcox, educador americano).

As emoções são contagiantes.


É perfeitamente natural que influenciemos o estado emocional de outra pessoa, para melhor ou para pior. Fazemos isso o tempo todo, "pegando" emoções uns dos outros, como se fossem alguns tipos de vírus sociais. Essa troca emocional constitui uma economia interpessoal invisível, parte de toda interação humana. O que é válido para a troca íntima que ocorre numa sessão de psicoterapia não é menos verdadeiro no chão da escola, na sala de reuniões da diretoria ou na estufa emocional da vida. E, se transmitimos estados de ânimo com tanta facilidade, é porque eles podem ser sinais vitais para a sobrevivência. Nossas emoções nos dizem em que devemos nos concentrar ou quando agir. As emoções são mecanismos que funcionam como avisos, convites, alarmes.
Como um sistema de sinalização, as emoções não necessitam de palavras. De modos sutis (ou não tão sutis), cada qual faz com que o outro se sinta melhor (ou pior), como parte de qualquer contato que tenhamos. Cada encontro pode ser pesado segundo uma escala que vai da intoxicação à nutrição, em termos emocionais. Embora essa operação seja na maior parte invisível, pode trazer enormes benefícios para uma escola ou para o tom da vida organizacional.




Como lidar com as emoções dos outros?




Final de um dia úmido, longo e cansativo no Walt Disney World. Um ônibus lotado de pais e crianças começa o trajeto de 20 minutos de volta para o hotel. As crianças (e seus pais) estão muito agitadas e irritadiças. O motorista do ônibus, então, começou a cantar uma música do filme A Pequena Sereia. Aos poucos, todos foram se acalmando, prestando atenção. Primeiro uma menininha começou a cantar; logo várias outras crianças se juntaram a ela. No final do percurso, todos estavam cantando Círculo sem Fim, de O Rei Leão. Resultado: a viagem de ônibus infernal acabou se transformando num passeio agradável.
Aquele motorista de ônibus sabia muito bem o que estava fazendo. Na verdade, motoristas cantores fazem parte de uma estratégia intencional para ajudar a manter a tranqüilidade dos passageiros. Essa estratégia aproveita de forma inteligente o contágio emocional. Para melhor ou pior, fazemos todos parte dos conjuntos de ferramentas emocionais uns dos outros. Estamos sempre acionando os estados emocionais dos outros da mesma maneira que fazem conosco. Esse fato constitui um forte argumento contra a expressão desinibida de sentimentos tóxicos no trabalho. Eles envenenam o poço. No sentido oposto, os sentimentos positivos sobre uma companhia se baseiam, em grande parte, em como as pessoas que representam a empresa nos fazem sentir.
Nas organizações, as pessoas mais eficazes sabem disso intuitivamente. Elas utilizam de forma natural o seu radar emocional para pressentir como os demais estão reagindo. Como comentou comigo Tom Pritzker, presidente da Hyatt Hotels: "Não se pode quantificar a moça da recepção que conquista o cliente com um sorriso, mas pode-se sentir o benefício disso". (Os sorrisos são o sinal emocional que tem o maior efeito contagioso, possuindo um poder quase irresistível de fazer os outros sorrirem de volta.) Os mesmos mecanismos do cérebro que estão por trás da empatia e que possibilitam a sintonia emocional também criam o caminho para o contágio emocional. Como observa Howard Friedman, psicólogo na Universidade da Califórnia, em Irvine: "A essência da comunicação eloqüente, apaixonada, vibrante parece envolver o uso de expressões faciais, tons de voz, gestos e movimentos do corpo, a fim de transmitir emoções".
Num certo sentido, a exibição emocional é como um teatro. Todos temos nossos bastidores, a zona oculta onde sentimos nossas emoções, e um palco, a arena social, onde apresentamos as emoções que resolvemos revelar. Essa separação íntima entre nossas vidas emocionais públicas e privadas é semelhante à concepção da frente da loja e do escritório nos fundos. As exibições emocionais são freqüentemente dirigidas com maior cuidado quando se está interagindo com clientes, com as crianças e com menor atenção nos bastidores - discrepância que pode ser infeliz.
Alegria no trabalho: ambiente saudável, produtivo e de respeito às crianças.
Pense na alegria que você tinha quando criança e procure essa sensação no ambiente de trabalho e em todos os outros aspectos da vida. Talvez seja apenas necessário pendurar na parede suas tiras de quadrinhos favoritas, fotografias engraçadas (não deixe de pôr uma foto sua), citações engraçadas ou qualquer coisa que estimule sua veia cômica. Compre um maço de flores (no supermercado mesmo) e enfeite sua mesa. Use uma roupa "especial" na próxima reunião de trabalho, nem que seja roupa de baixo colorida sob o terno ou vestido sóbrios. Antes de sair de casa pela manhã, dance de pijama na frente do espelho para começar o dia sorrindo.
Encha sua vida de cuidados para mostrar a imagem que você faz de si mesmo. Decore seu ambiente com itens que estimulem todos os seus sentidos. Convide a sua "criança interior" a criar maneiras estimulantes de dar alegria a seu trabalho e faça com que o fator humor esteja presente em cada tarefa que realizar.




Afinidade




As relações humanas se firmam baseadas em vários aspectos: genética, personalidade, formação, empatia e afinidade entre outros. Cientificamente está provado que não importa o quanto desejemos, teremos afinidade com algumas pessoas e com outras não. Um dos maiores conflitos de relacionamento entre pessoas de diferentes classes está no fato de acharem que todos devem se gostar entre si. No trabalho, por exemplo, vamos conviver diariamente com várias pessoas, mas necessariamente, não teremos afinidade com todas, algumas necessitarão de um maior esforço de nossa parte para mantermos o profissionalismo e seguirmos trabalhando juntos. Na nossa família, na nossa casa, também é assim. Às vezes temos dificuldades em nos relacionar com uns e muita afinidade e entrosamento com outros. "Ce la vie"... É a vida. E como faremos quando estamos influenciando diretamente a vida de nossos bebês, de nossas crianças nas Creches? Ah... mas com as crianças é diferente... Eu gosto de todas iguais. Não é verdade! Rapidamente tomamos consciência de que temos muita facilidade em lidar com algumas crianças e tremenda dificuldade com outras. Entendido e aceito isto, o que fazer? Devemos partir do princípio do respeito à individualidade e liberdade de cada criança. Hoje ouvi uma observação interessante na TV, onde a cantora Ivete Sangalo disse que quando as pessoas aprenderem a ter respeito mútuo, o mundo se tornará um lugar melhor. Então, vamos tratar igualmente com nossas crianças, com respeito e carinho por todas, porque com certeza entre todas as educadoras, as crianças rapidamente demonstrarão sua afinidade por uma ou por outra, e aí não pode haver ciúmes, mas respeito. E entre todas as crianças, rapidamente sentiremos aquelas às quais temos mais afinidade, então temos que nos esforçar em não fazer diferenciação entre elas, em não escolher uma e preterir à outra, para que a convivência seja sadia e para que o tempo em que elas conviverem conosco seja guardado na lembrança delas como um tempo em que elas foram amadas, respeitadas, e onde sua individualidade e liberdade foram incentivadas.




Maria Fernando Tognozzi Borges, psicóloga clínica e escolar, pós-graduada em Ed. Infantil pela PUC, especialista em atendimento familiar, dinamicista de grupo, diretora do espaço de formação do educador infantil.

Semana dos Bons Dentes - 22 a 26 de outubro


Hábitos alimentares inadequados e falta de prevenção provocam cáries em bebês

Por Scheilla Lisboa

Se o bebê, com mais de um ano de idade chora durante a madrugada, a primeira atitude dos pais é correr e dar a mamadeira ou amamentar no peito. Certo...? Errado. Ainda é muito forte na população alguns costumes como este que acabam por comprometer a saúde dos dentes dos bebês, gerando cáries e maus hábitos. A conseqüência desta prática inadequada tem até nome: cárie tipo mamadeira, que é a cárie originada do hábito de dar leite à criança (mamadeira ou materno), durante a madrugada. "Após um ano a mamadeira ou amamentação no peito noturnas, devem ser retiradas, pois durante o dia a alimentação deve estar completa, satisfazendo as necessidades da criança", afirma a coordenadora da saúde da criança da Secretaria de Saúde de Vinhedo, Solange Salomão. A cárie tipo mamadeira ocorre porque, à noite, existe uma diminuição da salivação e, também, a criança engole menos, o que favorece a retenção do alimento junto ao dente. Assim, a bactéria da cárie (Estreptococos mutans) encontra o ambiente propício. A saliva é importante, pois é responsável pela lubrificação da boca e dos dentes, além de intervir significativamente no processo de geração da cárie. Mas, não é só a alimentação que determina a cárie, outros costumes do dia a dia também interferem; cabe aos pais prestar atenção e se reeducarem. "A cárie é uma doença contagiosa, assim, o adulto, sendo portador da bactéria, deve evitar beijar a boca da criança, assoprar a comida, utilizar os mesmos talheres e copos e limpar a chupeta com a própria boca", orienta a pediatra. Outra informação incorreta que passa de geração para geração é a imposição da chupeta a qualquer momento e de adoçá-la para a criança dormir melhor. "Estas atitudes reforçam o vício da chupeta que pode acarretar alterações dentárias, como mordida aberta e alterações de fala, além do que a presença do açúcar facilita a ação da bactéria sob o dente desenvolvendo a cárie", explica Solange, que afirma que o ideal é que se evite o uso da chupeta. Engana-se, também, quem não dá a devida importância ao dente de leite, já que ele será substituído pelos permanentes. "A saúde do dente de leite determina a saúde do dente permanente. Se a higiene é inadequada, existe o costume do leite noturno, o uso excessivo de açúcar e a alimentação não tem uma fonte de cálcio adequada, quando surgir o dente permanente o organismo vai sofrer os mesmos riscos do dente de leite devido aos hábitos errados", explica a pediatra.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Fotos Semana da criança 2007

Visita ao campo.

Visita ao ginásio de esportes.




Visita ao aquário.

O uso correto de medicamentos.



A utilização correta de medicamentos exige atenção e cuidados para se obter o restabelecimento da saúde e a melhoria da qualidade de vida. Apesar da facilidade de comercialização no Brasil, os medicamentos não podem ser tratados como uma mercadoria qualquer. Eles devem ser utilizados somente quando necessário e com orientação adequada. Todo e qualquer remédio ou medicamento tem seus prós e contra. O remédio é uma combinação de produtos químicos, preparados especialmente para combater doenças específicas. Assim como todo produto químico, o medicamento pode fazer bem para determinadas pessoas e mal para outras. Isso é chamado de efeito colateral e deve vir descrito na bula. As tarjas nas caixas têm o seguinte significado: Tarja Preta: Indica medicamento de alto risco, se tomados em doses erradas podem até matar. Só podem ser vendidos com apresentação da receita, que deve ficar retida na farmácia para controle das autoridades. Tarja Vermelha: Indica que o medicamento só pode ser vendido sob prescrição médica, pois provoca sérios efeitos colaterais. Embora algumas farmácias vendam esses remédios sem receita, eles não devem ser tomados sem orientação médica. Sem Tarja: Indica que não há nenhuma restrição para venda. Mesmo esses só devem ser tomados para aliviar certos sintomas até que se saiba suas causas.

O paciente deve informar ao médico:
· Se é alérgico a algum remédio, mofo, poeira, perfume, etc.

· Se está em uso de algum medicamento.

· Hábitos de vida, tipo de alimentação, se fuma ou bebe, se pratica exercícios físicos, etc.

·Se há casos de doenças na família: hipertensão, diabetes, e outras.
· Alterações no ciclo menstrual. · Se está grávida ou em fase de amamentação.


Prescrição ou Receita Médica


A receita médica é que vai fornecer todas as informações sobre o uso correto do medicamento. Representa o resultado do diagnóstico dado pelo médico através do exame clínico e da queixa do paciente. Ao receber uma receita, deve-se observar se está clara, legível e se contém: -nome e endereço do paciente. -nome do medicamento, tipo e quantidade receitada, horário de tomá-lo, duração do tratamento e o modo de usá-lo. -Data, assinatura e número de registro do médico no Conselho Regional de Medicina. O médico está capacitado e deve esclarecer todas as dúvidas sobre a doença, o medicamento e o tratamento receitados. Esses esclarecimentos proporcionarão ao paciente a realização de um tratamento de forma correta e se curar. Todos têm o direito de receber do médico uma receita de qualidade. Outro profissional capacitado para dar informações sobre medicamentos é o farmacêutico. Nunca se deve aceitar a "empurroterapia": Não se deve levar um medicamento diferente do receitado pelo médico porque o balconista diz que são iguais ou tão bom quanto. A substituição de um medicamento receitado só deve ocorrer se o nome genérico (composto ativo) de um e de outro forem os mesmo.


Farmácias e Drogarias


Tanto a farmácia quanto a drogaria têm um profissional responsável - o farmacêutico - cuja presença neste estabelecimento é obrigatória. Não confunda o balconista com o farmacêutico. Muitas vezes, o balconista incentivado pelos grandes laboratórios costuma "receitar" medicamentos. Além de ilegal, essa prática é extremamente perigosa. Evitar consultas de balcão é dever do consumidor. A farmácia difere da drogaria porque está autorizada a manipular fórmulas mediante receita médica, ou seja, aviar receitas. Além disso, a farmácia pode fracionar medicamentos fabricados por laboratórios (a pedido médico). Já a drogaria só pode vender remédios de laboratórios devidamente lacrados na embalagem original. É preciso atenção quanto a higiene dentro desses estabelecimentos, ela é fundamental.


Riscos de se consumir medicamentos sem prescrição médica:
· Intoxicação.


· Reações de hipersensibilidade ou alergia manifestada por pequena irritação.


· Morte.

Além disso, pode acontecer o agravamento da doença. O medicamento pode esconder alguns sintomas e algum tempo depois a doença volta a se manifestar de forma mais grave. Quando não se toma o medicamento receitado, durante o tempo e na dose determinada, pode-se ter o aparecimento de outras doenças devido ao agravamento da primeira. Um simples resfriado, por exemplo, pode transformar-se em pneumonia.



Atenção para:

NOME DO REMÉDIO Certifique-se de que o medicamento recebido é o mesmo que lhe foi receitado.


PRAZO DE VALIDADE Observe a data de validade impressa na embalagem do medicamento. Nunca compre ou tome medicamento com prazo de validade vencido. Não aceite medicamentos com embalagem amassada, rasgada ou sem rótulo.


DOSAGEM OU POTÊNCIA Um mesmo medicamento pode ter várias dosagens. Verifique atentamente na receita se a dosagem receitada corresponde à indicação da embalagem.

PREÇO A embalagem deve indicar o preço máximo ao consumidor. A relação dos medicamentos que têm preços controlados pelo governo consta no Diário Oficial, que deve estar à disposição no balcão da farmácia.

BULA A bula traz informações importantes como especificação da fórmula, modo de usar, contra-indicações, efeitos colaterais e precauções. Não a jogue fora.


REGISTRO E NÚMERO DO LOTE Os medicamentos industrializados devem trazer seu número do registro no Ministério da Saúde. Alguns produtos apresentam a expressão "Isento de Registro". Os preparados na farmácia, os dizeres "Farmacopéia Brasileira". Verifique se o número do lote está impresso na embalagem. Ele será útil caso haja problemas com o medicamento.

FABRICANTE E FARMACÊUTICO RESPONSÁVEL É obrigatório constar na embalagem o nome, endereço e CGC do fabricante e o nome e registro do farmacêutico responsável. QUANTIDADE O rótulo e a bula dos medicamentos devem indicar seu peso, volume líquido ou quantidade de unidades, conforme o caso.

Cumprimento da Prescrição

· O medicamento indicado deve ser tomado durante o período estabelecido pelo médico.

· Não se pode mudar a forma de tomar e nem interromper o tratamento sem conhecimento do médico.

· No caso de antibióticos, o cumprimento do tratamento deverá ser ainda mais rigoroso, pois se eles não forem tomados adequadamente além de não curar, perderão o efeito quando forem novamente necessários.

· Mulheres em fase de amamentação, idosos e crianças devem ter maior cuidado ao usar medicamentos. · Grávidas só devem usar medicamentos com acompanhamento médico.

· Se durante o tratamento, o medicamento provocar alguma reação que não foi alertada pelo médico, ele deve ser avisado imediatamente.

Cuidados com os Medicamentos:

· Devem ser mantido fora do alcance de crianças e animais domésticos para evitar intoxicações.

· Não devem ser comparados com balas ou sucos quando forem administrados às crianças.

· Devem ser guardados em locais arejados, frescos, bem ventilados e protegidos da luz e umidade. Nunca em cima de geladeira, armários de banheiro ou junto com alimentos.

· Embalagem de medicamento nunca deve ser reaproveitada.

· Sobras de medicamentos utilizados devem ser jogadas fora, principalmente antibiótico, colírio, remédio de uso nasal e odontológico.

· Em caso de uso de mais de um medicamentos, não deixá-los fora da embalagem para evitar confusões.


· Nunca se deve usar medicamentos indicados por conhecidos, parentes ou amigos. Se o tratamento fez bem a uma pessoa não quer dizer que fará bem a outra.


· Não se deve usar medicamentos sem receita médica, mesmo que ele já tenha sido receitado numa ocasião anterior.

· Nunca utilizar a mesma receita duas vezes, sem o conhecimento do médico. · O medicamento precisa de tempo para agir. É errado imaginar que aumentando a dose o efeito será mais rápido. Isso poderá trazer conseqüências para a saúde do usuário.

· Cuidado com a propaganda de medicamentos veiculadas em jornais, Tvs e rádios. Os medicamentos só são úteis quando realmente se precisa deles e se usados com equilíbrio.

· Nunca insistir com o médico para que ele receite um medicamento. O médico sabe qual o remédio mais adequado ao paciente.

Painéis e materiais confeccionados pelas professoras auxiliares de educação infantil


Maria e João confeccionados pela professora Sandra Rozana com barbante.



Móbile confeccionado pela professora Sandra Regina com garrafas pet .

Painel confeccionado pelas Professoras Cecília e Teresa.

Painel confeccionado pelas professoras do Berçário Bernadete e Silmara



Árvore confeccionada pelas professoras Elis Regina e Sandra Rozana do Mini -Grupo.

domingo, 23 de setembro de 2007

Profissionais de creche


Para trabalhar em uma Creche não basta apenas ter um diploma de Magistério, Normal superior ou Pedagogia. O profissional que trabalha em uma creche deve estar apto a lidar com choro, manha, a carência afetiva, a falta de informação e participação dos pais, fases de adaptações do bebê a rotina da Creche, ter carinho, amor a profissão , dar atenção necessária aos cuidados relacionados a higiene e a aquisição desses hábitos por parte dos pequenos e atento as fases de desenvolvimento das crianças, desempenhando ações que visam a socialização, o desenvolvimento da linguagem, conhecimento do mundo por meios dos sentidos, etc.Graças a Deus recebo a benção de trabalhar com pessoas que dia a dia demosntram esse comprometimento, predispostas a mudanças,fazendo o local da Creche , um lugar de troca, aprendizado, respeito as crianças e aos colegas de profissão .

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Audição infantil



A audição infantil precisa ser testada e exercitada desde cedo.Coisas simples que não exige gasto algum e que qualquer um pode fazer para testar e desenvolver a audição do seu filho, em casa ou numa creche.



5 Atividades para Testar e Desenvolver a Audição Infantil.




O Bebê pode ouvir sons antes mesmo de nascer. Assim, não é surpresa que durante os primeiros nove meses de vida, ele possa:



- Ouvir e responder aos sons e vozes à sua volta
-Divertir-se ouvindo histórias



-Responder ao ser chamado pelo nome.






Dentro de poucas semanas após ter nascido, a capacidade auditiva da criança deve ser testada. Isto é vital já que as crianças aprendem a linguagem ouvindo, e a maioria do desenvolvimento da linguagem infantil ocorre nos primeiros dois anos da sua vida. Se um problema de audição não for detectado até ela entrar na escola, ela já terá seu desenvolvimento totalmente comprometido.



Mesmo depois de ter testado a capacidade auditiva do bebê, você precisa e deve continuar a fazer auto-testes em casa. Sua criança pode ter algum indício de perda auditiva se, quando for récem nascida, ela não:



a) Se assusta, move, chora ou reage a barulhos e sons inesperados



b) Desperta com barulho



c) Move sua cabeça em direção ao som da sua voz



d) Naturalmente imita o som que ouve.






Nesse caso, você deverá consultar seu pediatra. Mais de 3 milhões de crianças, apenas na América do Norte, tem problemas de audição. No Brasil, como sempre, não existem estudos ou números a esse respeito, mas estima-se que seja um volume semelhante apesar da população ser menor. Dessas crianças, cerca de 45 por cento (1.4 milhões) tem menos de 3 anos de idade. Mesmo que sua criança possa ouvir imediatamente, o que ela escuta pode não lhe interessar naquele momento assim ela pode não dar atenção. Aprenda e entenda esses episódios, mas não deixe de prestar atenção aos sinais e continue reforçando sua observação e testando a audição dela. Eis aqui 5 (cinco) atividades que você e sua criança podem fazer juntos para trabalhar seu potencial auditivo:






1) Falando com o Bebê: . Faixa etária: Do nascimento em diante Escute e fale com sua criança durante todo o dia. Não importa se ela não responde. Quando você fala com ela, você está lhe mostrando como usar os lábios e a lingua. Aprenda o significado do choro e gestos do seu filho. Ouça os sons que ele faz e observe o modo como ele move seu corpo. Faça uma imersão total do seu bebê em palavras. Por exemplo, quando estiver vestindo sua roupa, dê nomes as cores e as coisas que você estiver colocando na cabeça dele. Cuprimente-o toda vez que o ver. Diga seu nome frequentemente, por exemplo:"Ôi Alberto, você dormiu bem? ", ou "Alô, Alberto, você precisa trocas as fraldas?" Essas conversações podem parecer estar além da compreensão do bebê, mas elas o fazem saber quanto ele é importante e que você gosta dele.






2) Cantando para o Bebê: . Faixa etária: Do nascimento até os 3 anos Cante para o bebê. Quando seu filho estiver acordado, cante para ele com voz suave e melodiosa. Tente apenas entoar ou cantar uma canção em tom ameno e amoroso. Isso vai ajudá-lo, acalmá-lo e confortá-lo quando estiver agitado ou chorando (se não for caso de doença). Não se preocupe se você não tiver dotes musicais apurados - seu bebê não sabe a diferença. Ele se reconfortará com os sons que você faz e a atenção que está sendo dada a ele. Quando estiver alimentando, trocando fraldas, e dando banho no seu filho, cante canções e ninar para ele. Desse modo, ele vai aprendendo que a comunicação dele com você é importante e que as pessoas prestam atenção quando estão falando uma com a outra.






3) Lendo para o Bebê: . Faixa etária: Do nascimento em diante Leia para seu Bebê. Nada estimula mais a inteligência de uma criança que escutar você falar. Os livros ilustrados com figuras e desenhos são magníficos para esta idade. O importante é que tenham uma ou duas palavras por página e ilustrações ou fotografias coloridas. Deixe o bebê olhar todas as ilustrações à vontade e sem pressa. A medida que vai crescendo, deixe ele explorar as páginas de livros com mais palavras.Nesse estágio, ele se diverte ouvindo sua voz e encontra nisso calma e reconforto.






4) Explique os Sons: . Faixa etária: Do nascimento até os 3 anos Se isto for o zunido de um avião ou o ronronar do gato, observe que o que seu filho escuta permite-lhe ajudar a entender seu meio ambiente. Considere gravar os sons que ele faz aos 3 meses de idade, e a cada 3 meses de vida a partir daí. Mostre-lhe os sons de modo que ele se divirta ouvindo a si mesmo. Explique-lhe que a voz que ele está ouvindo é dele mesmo.






5) Ensinando o Bebê: . Faixa etária: Do nascimento até os 3 anos Dê ao bebê instruções simples através de gestos e palavras. Diga a palavra "sorria" e então faça o gesto do sorriso. Ele aprenderá a imitar suas ações. A medida que se desenvolve, levante suas mãos ou pés e diga, "pra cima" então, abaixe-os e diga, "pra baixo". Quando for crescendo, aponte e olhe na direção de um objeto e indentifique-o. Por exemplo, aponte para seu carrinho e diga, "carro". Pegue o carrinho e indentifique-o outra vez. Logo, quando você disser "carro", ele será capaz de apontar por si mesmo para o brinquedo e eventualmente pegá-lo. Ajude seu filho a descobrir a si próprio. Coloque-o sobre um cobertor e se ajoelhe diante dele. Abaixe seu rosto e modo que fique à mesma altura do dele. Toque seu rosto e diga "rosto". Então, coloque as mãos dele sobre seu rosto, e repita. Faça a mesma coisa com outra partes do corpo, como nariz, boca ouvidos, etc. Use sua imaginação e crie novas atividades.

Fonte: Departamento de Educação Pública dos Estados Unidos da América

Projeto: Ensinando os Pais a Ensinar.

Adaptação: Alberto Filho.

Estimulação


Estimule:
- Criatividade;
- Motricidade,
- Controle da força muscular,
- Aquisição de conceitos: constância da massa, causa e efeito,
- Atenção, concentração...

Pintura a Dedo


Material: 1 litro de água; 1 xícara de chá de farinha ou maizena; 3 colheres de sopa de vinagre; anilina ou guache (diversas cores)
Como fazer: Misture bem a farinha e a água e leve ao fogo baixo, mexendo sempre, até conseguir um mingau uniforme, não muito grosso. Deixe esfriar e junte o vinagre. Divida a massa em vidros, tipo de maionese, e acrescente a anilina ou o guache (uma cor em cada vidro).Conserva-se bem por aproximadamente 1 mês se mantido bem fechado.
Para usar, distribua entre as crianças pedaços de cartolina. Retire a tinta do pote com uma colher e deixe-as desenhar com as mãos.Coloque os trabalhos para secar à sombra.



Tinta vegetal


Material:

Beterraba, Cenoura e Espinafre
Modo de Fazer:Bater no liquidificador, com água, beterraba (para a cor vermelha),cenoura (para a cor amarela), e espinafre (para a cor verde). Espremer o líquido de cada um num pano e depois coar. Guardar as tintas em vidros e tampar bem.
Atenção: Pintar sobre papéis grossos, utilizando-se de vários tipos de pincéis, esponjas, chumaço de algodão preso num palito ou num lápis, ou então, usar frascos de desodorante vazios, do tipo spray, que cheios de tinta servirão para espirrar no papel preso numa parede ou num cavalete.


Massa Caseira para Modelar

Receita 1 (massa de pão)

Material :4 xícaras de farinha de trigo,1 xícara de sal, 1 e meia xícara de água, 1 colher de (chá) de óleo
Modo de Fazer:Numa tigela, misturar todos os ingredientes, amassar bem até ficar boa para modelar. Guardar em saco plástico ou vidro bem tampado.Atenção: Esta receita não precisa ir ao fogo. Não seca ao sol, mas você pode colocar as peças modeladas numa forma e pedir para um adulto colocar em forno brando para assar. Depois de assadas, é só pintar com tinta para artesanato ou tinta preparada por você através de nossas receitas.

Receita 2

Material1:500 g de maisena,100 g de sal,uma colher de (café) óleo,tinta vegetal
Modo de Fazer: Misturar a maisena e o sal. Juntar água suficiente para formar uma pasta.Pedir para um adulto levar a massa ao fogo, mexendo sempre. Acrescentar o óleo e o corante.
Guardar em saco plástico ou vidro bem tampado.Atenção: a massa não deve ser deixada para secar ao sol. Ela se conserva por vários meses, independente de qualquer produto químico.

Receita 3

Material:2 xícaras e meia de maisena1 xícara de salmeia xícara de águauma pitada de corante.
Modo de Fazer Misturar todos os ingredientesPedir para um adulto levar a massa ao fogo em banho-maria até desprender da panela.Guardar em saco plástico ou vidro bem tampado.

Atenção: a massa não deve ser deixada para secar ao sol. Ela se conserva por vários meses, independente de qualquer produto químico.

Cola Branca Caseira

Material Necessário:1 xícara de farinha de trigo e água
Modo de Fazer:Misture 1 xícara de farinha com 1 xícara de água.Ferva 4 xícaras de água e acrescente a mistura e deixe cozinhar aproximadamente3 minutos, espere esfriar e use.

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Infância na Creche. Um Olhar Inclusivo


Caminhos pedagógicos da inclusão: A creche, um bom começo.

Por Cláudia Regina Pinto Michelli e Julianne Fischer.

A creche entendida como uma instituição educativo-profissional torna-se o primeiro local onde a criança vivencia situações de inclusão. Desde os momentos assistenciais (alimentação, higiene, descanso), até as brincadeiras e atividades pedagógicas, a criança estará participando de escolhas que incluem ou excluem objetos e/ou pessoas. Nossa sociedade gira em torno dessas situações, devido as escolhas que fazemos a partir daquilo que nos interessa.
Acredita-se que sendo a creche um ambiente onde a criança inicia sua interação com pessoas sem nenhum grau de parentesco, torna-se relevante um trabalho pedagógico consciente, pois nossas ações podem deixar sentimentos cristalizados. A maneira de conduzir a prática diária dessas instituições poderá instigar o sujeito a tornar-se alguém seguro e confiante ou retraído e sentindo-se incapaz.
A questão do remanejamento é um momento importante, porém não é o único. De nada adianta todo um preparo para a inclusão, se no decorrer do ano houver desagregação neste meio. A isto é importante salientar que os educadores precisam constantemente buscar conhecimentos, resgatando o que sabem e construir uma pedagogia não revolucionária, mas, capaz de reconhecer nas pequenas coisas, nos pequenos momentos uma ação transformadora da prática, que, muitas vezes está calçada numa dinâmica corroída pelo tempo.
Saber pensar não é algo que se obtém por técnica, receita ou método. Saber pensar não é só aplicar a lógica e a verificação aos dados da experiência. Precisamos, pois, compreender que regras, que princípios regem o pensamento que nos faz organizar o real, isto é, selecionar/privilegiar certos dados, eliminar/subalternizar outros. (...) Saber pensar significa, indissociavelmente, saber pensar o próprio pensamento. Precisamos pensar-nos ao pensar, conhecer-nos ao conhecer. É essa experiência reflexiva fundamental, que não é só a do filósofo profissional e não deve estender-se apenas ao homem da ciência, mas deve ser a de cada um e de todos. (Morin, Edgar, 1987, p. 111).
É através das reflexões da nossa postura, diante do nosso trabalho que podemos transformar nossas ações. É através dos questionamentos e daquilo que nos intriga que há impulsionamento para a busca das respostas. A dúvida reorienta o olhar do educador, se deixar que ela morra seremos meros "cumpridores de horas trabalhadas", lavando as mãos para o compromisso e vestindo a camisa da incompetência.
Os profissionais de creche precisam ter em mente que neste local sempre estarão lidando com questões que envolvem separação, conquistas e progressiva autonomia das crianças. Estas questões giram em torno da inclusão e conseqüentemente da exclusão. Respostas ou receitas para um trabalho inclusivo na creche não existem, não é somente uma graduação em pedagogia que trará subsídio para tal investida. O que precisa ocorrer é um trabalho efetivamente em grupo com cada membro responsável em fazer a sua parte. Esse trabalho em grupo não envolve somente educadores, mas, toda a instituição e principalmente as famílias.
Um grupo se constrói através da constância da presença de seus elementos na constância da rotina e de suas atividades. Um grupo se constrói no espaço heterogêneo das diferenças entre cada participante. Um grupo se constrói enfrentando o medo que o diferente, o novo provoca, educando o risco de ousar. Um grupo se constrói na cumplicidade do riso, da raiva, do choro, do medo, do ódio, da felicidade e do prazer. (Grossi, 2001, p. 65).
É nessa dinâmica de comprometimento que emergem os caminhos de uma pedagogia inclusiva na creche. Cada instituição possui uma política única de trabalho, para tanto, o caminho pedagógico da inclusão é um trajeto a ser construído por todos, ou seja, pais, educadores, coordenadores, com o intuito de promover uma Educação Infantil de qualidade e para todos, visando o desenvolvimento de uma infância compreendida e valorizada no seu momento, nas suas particularidades. Uma Educação Infantil de qualidade requer acima de tudo experiências significativas para as crianças, pois estas determinam o intercâmbio dela com o mundo, absolutamente necessário para a vida e o viver de qualquer cidadão.

Por favor, me toque!


SE SOU SEU BEBÊ, POR FAVOR ME TOQUE...
Preciso de seu afago de uma maneira que talvez nunca saiba... Não se limite a me banhar, trocar minha fralda e me alimentar, mas me embale estreitado, beije meu rosto e acaricie meu corpo. Seu carinho gentil, confortador, transmite segurança e amor...
SE SOU SUA CRIANÇA, POR FAVOR ME TOQUE...
Ainda que eu resista e até o rejeite, insista, descubra um jeito de atender minha necessidade. Seu abraço de boa noite ajuda a adoçar meus sonhos; seu carinho de dia me diz o que você sente de verdade...
SE SOU SEU ADOLESCENTE, POR FAVOR ME TOQUE...
Não pense que eu, por estar crescido, já não precise saber que você ainda se importa. Necessito de seus abraços carinhosos, preciso de uma voz terna. Quando a vida fica difícil, a criança em mim volta a precisar...
SE SOU SEU AMIGO, POR FAVOR ME TOQUE...
Nada como um abraço afetuoso para eu saber que você se importa. Um gesto de carinho quando estou deprimindo me garante que sou amado, e me reafirma que não estou só. Seu gesto de conforto talvez seja o único que eu consiga...
SE SOU SEU PARCEIRO SEXUAL, POR FAVOR ME TOQUE...
Talvez você pense que sua paixão basta, mas só o seus braços detém os meus temores. Preciso do seu toque terno e confortador, para me lembrar que sou amado apenas porque eu sou eu...
SE SOU SEU FILHO ADULTO, POR FAVOR ME TOQUE...
Embora eu possa ter até minha própria família para abraçar, ainda preciso dos braços de mamãe e papai quando me machuco...
SE SOU SEU PAI IDOSO, POR FAVOR ME TOQUE...Do jeito que me tocaram quando era bem pequeno. Segure minha mão, sente-se perto de mim, dê-me força e aqueça meu corpo cansado com sua proximidade. Minha pele, ainda que muito enrugada, adora ser afagada....
NÃO TENHA MEDO... APENAS ME TOQUE...
(Autor: Phyllis K. Davis)

Braille Virtual


Recebi de André Baldo, vale a pena baixar, instalar e aprender a leitura!

Braille Virtual Braille virtual é um software específico para ensinar a leitura braile para pessoas que enxergam. O programa apresenta

* A história de Louis Braille, criador desse Sistema;

* A composição do alfabeto em braile;

* A célula braile, as combinações dos 6 pontos que resultam em 63 (combinações) e representam as letras do alfabeto, os sinais de pontuação, os números, a notação musical e científica;

* De maneira interativa, lúdica utiliza das cores, números e movimentos para ilustrar e facilitar a memorização das combinações dos pontos que formam o alfabeto, os sinais de pontuação e os números;

* Exercícios de correspondência, transcrição do sistema braile e outros

* Jogos como o da forca. Com a aprendizagem das letras em braile o aprendiz poderá facilmente transferi-la para a escrita. É um produto inovador que proporciona a aprendizagem da leitura pelo sistema braile por pessoas que enxergam, de maneira simples e rápida, como um dos facilitadores da inclusão social das pessoas com cegueira que utilizam tal sistema. Além disso, este programa contribui para a divulgação, conhecimento e reconhecimentodo sistema braile como sistema de leitura e escrita. Com a aprendizagemdeste sistema por parte dos familiares, colegas e professores da classe regular, serão minimizadas as dificuldades que os alunos cegos encontram em sua trajetória escolar. Esse programa é fruto de pesquisas desenvolvidas por educadores que atuam na área da deficiência visual e preocupados com a educação inclusiva. Objetivos

* Ensinar a leitura do sistema braile a pessoas que enxergam através do programa braillevirtual

* Tornar o sistema braile acessível ao maior número de pessoas; * Permitir que pais de crianças cegas conheçam e dominem osistema braile, ajudando e acompanhando seus filhos em tarefas escolares o que irá elevar a sua auto estima. * Proporcionar ao professor da classe regular o domínio do sistema braile e o reconheça como sistema de leitura e escrita;

* Favorecer o conhecimento do braile pelos colegas de classe do aluno com cegueira, dos familiares e da comunidade;
* Facilitar a interação entre o professor da sala comum e o aluno com cegueira * Universalizar o braile;

* Desmistificar o braile; Público alvoPessoas que convivem com deficientes visuais e todas aquelas que queiram aprender a leitura do sistema braile. Abrangência Disponibilizando no site haverá possibilidade de atingir pessoas de todo o mundo e principalmente o Brasil. Através do Site os visitantes poderão fazer o download. Através deste site poderá ser atingida todas as escolas onde haja laboratório de informática e disponibilidade para a internet. É incalculável o número de pessoas que se beneficiarão com o referido programa. Resumo histórico Enquanto pesquisadores, pudemos observar que os professores e pais de alunos com cegueira apresentavam uma rejeição quanto ao sistema braile, não reconhecendo-ocomo um sistema de leitura e escrita (pesquisa realizada em 2002). Este fato dificultava os alunos que dependiam desse sistema durante seu processo de aprendizagem, sentiam-se desestimulados e muitas vezes envergonhados por escreverem de forma diferente. O braille, com essa pesquisa, mais uma vez mostrou-se sendo um conhecimento de um grupo restrito. Preocupados com a inclusão dessas crianças, que freqüentam a escola comum, procuramos criar uma ferramenta de fácil acesso para que os colegas, os pais e professores, dominassem o sistema braile. Assim criamos o Braillevirtual, programa interativo, lúdico e de fácil compreensão. Logo após a criação, desenvolvemospesquisa com intuito de validar tal ferramenta com um grupo de 20 pais, 20 professores e 30 crianças que estudavam na classe com crianças cegas integradas. Tal pesquisa demonstrou que todos os envolvidos conseguiram aprender a ler o braile em poucas horas de uso, numa variação de 2 a 6 horas. Justificativa A motivação para a leitura tem um papel fundamental. Geralmente ascrianças que enxergam têm grande interesse em aprender a ler, o que está ligado ao seu acesso ao mundo letrado, desde muito cedo. Já nos primeiros anos de vida a criança vê ao seu redor muitos cartazes estimulantes onde lêem palavras ou descobrem o significado (Coca-Cola); em sua casa está rodeada de livros de literatura infantil ilustrados, a TV onde aparecem e desaparecem legendas constantemente. Assim, as crianças videntes vão tomando consciência do propósito da leitura, despertando nelas uma motivação clara para aprender a ler. Esse processo natural nas crianças videntes não acontece comas crianças cegas que entram em contato com o mundo letrado na época em que ingressam na escola, quando conhecem o braile e, através desse, a leitura tátil. A demora da criança cega em conhecer o mundo letrado se deve ao fato do sistema braile diferir inteiramente da escrita comum, enquanto código e quanto à sua apresentação, sendo dominado por um grupo muito restrito, levando pais, professores, assim como a comunidade infantil da criança não apenas a uma desvalorização, como também a um não reconhecimento como sistema de leitura escrita, ignorando, muitas vezes, a própria aprendizagem da criança. Os pais, professores, colegas de classe e o próprio estudante devem ser levados a perceber e reconhecer que, embora o sistema braile seja totalmente diferente da escrita comum, quanto ao código e à apresentação, ele substitui satisfatoriamente a leitura escrita em negro. Além disso, os pais, conhecendo o sistema braile, poderão acompanhar a escolaridade de seus filhos com cegueira, da mesma forma que fazem com os demais que não apresentam a deficiência. O Programa pode ser obtido fazendo o download pela internet.


Caso seja do seu interesse, acesse o link: http://www.braillevirtual.fe.usp.br/

domingo, 26 de agosto de 2007

O brinquedo certo





  1. até 3 meses Móbiles de berço e brinquedos que podem ser amarrados no berço e fazem movimentos ao ser puxados por cordão.
    até cerca de 9 meses Escolha aqueles que ele possa pegar na mão e levar à boca, como mordedores e chocalhos.






  2. até cerca de 13 meses Como ele está na fase de aprender a andar, é hora de dar ao bebê brinquedos que se movimentam, como cubos em tecido e bolas, para que ele possa tentar ir atrás. Também farão sucesso peças que possibilitam tirar e colocar objetos, piões com som e brinquedos de empilhar, de encaixar e triciclos sem pedal.






  3. a partir de 14 meses Como ele também está com sua curiosidade afinada, brinquedos que podem ser desmontados e permitem a colocação e a retirada de outros pequenos objetos de dentro. Caminhões com carroceria e baús são ótimos.






  4. por volta de 2 anos e meio É o começo do desenvolvimento da fase da fantasia. Capriche nas histórias de contos de fadas, nos teatrinhos, nos fantoches. Brinquedos com os quais ele se divertirá na areia e terra também são boas opções, a exemplo de baldes, pazinhas e peneiras.






  5. aos 3 anos A fantasia continua. Mas também aumenta o interesse por brinquedos que permitem fazer construções simples, como lego e playmobil.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Cantigas de roda


Cantigas de roda

AI, EU ENTREI NA RODA
Estribilho
Ai, eu entrei na rodaAi, eu não sei como se dança

Ai, eu entrei na "rodadança" Ai, eu não sei dançar.
Sete e sete são catorze, Três "vêz" sete vinte e um Tenho sete namorados

Só posso casar com um.
Namorei um garotinhoDo Colégio Militar

O diabo do garoto

Só queria me beijar.
Todo mundo se admira,Da macaca fazer renda.

Eu já vi uma perua

Ser caixeira duma venda !
Lá vai uma, lá vão duas,

Lá vão três pela terceira,Lá se vai o meu benzinho,De vapor pra Cachoeira!
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças cantam o estribilho dando quatro passos para o centro da roda, quatro para fora recuando e repetem.Caminham em roda cantando a primeira quadra. O estribilho é repetido, movimentando-se as crianças como ficou explicado. Novamente a roda gira para cantar a segunda quadra. Assim continua o brinquedo, sendo permitidas novas quadras lembradas pelas crianças.





02- ATIREI O PAU NO GATO.
Atirei o pau no gato-to

Mas o gato não morreu-reu-reu

Dona Chica-ca admirou-se-se

Do berro, do berro que o gato deu:Miau !
Formação - Roda : As crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças brincam e saltitam em roda. Ao término da quadra, ao dizerem "Miau" sempre de mãos dadas, param, pulam e abaixam-se a seguir.

03 - BA, BE, BI, BO, BU
Bis :O ba, be, bi, bo, buVamos todos aprender:
Bis :Soletrando o b-a-ba

Na cartilha do A, B, C.
Bis :O (inicial do nome da pessoa) é uma letra

Que se escreve no A, B, C.
Bis :O (nome da pessoa) você não sabe

Quanto eu gosto de você !
Formação - Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, pára. A criança que está no centro, canta, sozinha, a segunda quadra citando a inicial e o nome daquela que, após ser abraçada, deverá substituí-la no centro da roda.


04 - BELA PASTORA
Lá no alto daquela montanha

Avistei uma bela pastora

Que dizia na sua linguagem

Que queria se casar.
Bela pastora, entrai na roda

Para ver como se dança:Uma volta, meia volta,

Abraçai o "seu" amor.
Formação - Roda : uma criança fora - Bela Pastora - e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando. No início da segunda quadra, a "Bela Pastora" entra na roda e no final abraça uma companheira que irá substituí-la.

05 - CACHORRINHO ESTÁ LATINDO
Cachorrinho está latindo

Lá no fundo do quintal

Cala a boca, cachorrinho

Deixa meu benzinho entrar.
Estribilho:
Ô crioula lá !Ô crioula lá, lá !Ô crioula lá !Não sou eu que caio lá !
Atirei um cravo n'água

De pesado foi ao fundo;

Os peixinhos responderam:Viva D. Pedro Segundo !
Formação - Roda : uma criança no centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando a primeira quadra. Ao terminá-la pára. A criança que está no meio, aproxima-se de uma companheira e, enquanto todas cantam o estribilho batendo palmas no ritmo da melodia, as duas, frente a frente pulam num pé ora no outro, estendo as pernas, alternadamente para frente. A criança escolhida substitui a que está no centro e a roda gira novamente cantando a segunda quadra. É repetido o estribilho com a movimentação descrita, sendo escolhida outra criança.
Nota: - São permitidas novas quadras.

06 - CAI, CAI, BALÃO
Cai, cai, balão ! Cai, cai, balão !Na rua do sabão.

Não cai, não ! Não cai, não ! Não cai, não !Cai aqui na minha mão !
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando.

07 - VEM CÁ, BITU !
Vem cá, Bitu ! vem cá, Bitu !Vem cá, meu bem, vem cá !Não vou la ! Não vou la, Não vou la !Tenho medo de apanhar.
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando.

08 - CAIU NO POÇO
Bis :(Nome da pessoa) caiu no poço

Ficou toda enlameada
Bis :Os garotos deram em cima

Pensando que era melado.
Bis :Como ela pula !Como ela roda !Como é que ela fazRequebradinho !
Formação - Roda : uma criança no centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra na qual é mencionado o nome da criança que está no centro. Em seguida pára e canta a segunda quadra batendo palmas no ritmo da melodia enquanto a criança em destaque, dá uma volta completa no mesmo lugar e faz requebros.Ao terminar o canto, a criança que está no centro, escolhe aquela que deverá substiruíl-la.


09 - A CANOA VIROU
A canoa virou, Deixá-la virar,

Por causa da (nome de pessoa)

Que não soube remar.
Se eu fosse um peixinho

E soubesse nadar,Tirava (nome da pessoa)

Do fundo do mar.
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra na qual é mencionado o nome de uma criança. Esta, deixando as mãos das companheiras, faz meia volta, dá-lhes novamente as mãos e, de costas para o centro da roda, continua a caminhar. Novamente é cantada a primeira quadra sendo escolhida a criança que estiver à esquerda daquela que virou, procedendo da mesma maneira que sua companheira. Assim continua o brinquedo. Quando todas estiverem de costas para o centro da roda, passa a ser cantada a seguinte quadra e, uma a uma, as crianças voltam à posição inicial, mencionando-se sempre aquela que estiver à esquerda da última que virou.

10 - CAPELINHA DE MELÃO
Capelinha de melão

É de São JoãoÉ de cravo, é de rosa,

É de manjericão.
São João está dormindo

Não me ouve, não.

Acordai, acordai,Acordai, João !
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando.

11 - CARANGUEJO
Caranguejo não é peixe,Caranguejo peixe é;

Caranguejo só é peixe

Na enchente da mará.
Ora, palma, palma, palma !

Ora, pé, pé, pé !Ora, roda, roda, roda,Caranguejo peixe é !
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham, cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, param, deixam as mãos das companheiras e, obedecendo à letra, batem palmas três vezes, três vezes o pé direito no chão e, a seguir, fazem uma volta completa no mesmo lugar.

12 - CARNEIRINHO, CARNEIRÃO
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor Para todos se ajoelhar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor Para todos se levantar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor Para todos se sentar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor Para todos se levantar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor Para todos se deitar.
Carneirinho, carneirão-neirão-neirão,Olhai pro céu, olhai pro chão, pro chão:Manda o Rei, Nosso Senhor, Senhor, Senhor Para todos se levantar.
Formação - Roda : as crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira e canta, executando as crinaças os movimentos determinados na letra. Ajoelhadas, sentadas ou deitadas, continuam cantando e obedecendo às ordens.

13 - A CARROCINHA.
Bis :A carrocinha pegou

Três cachorros de uma vez.
Bis :Tra lá láQue gente é esta,Tra lá lá

Que gente má !
Formação - Roda : crianças de mãos dadas; ao centro, formando outra roda, três crianças.
Maneira de Brincar - As crianças das duas rodas, de mãos dadas, saltitam cantando os dois primeiros versos. Ao terminá-los, param e cantam os versos finais batendo palmas no ritmo da música, enquanto as crianças que estão no centro, separando-se, colocam-se à frente de companheiras da roda principal e, tendo as mãos na cintura, com elas pulam, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas alternadamente, para a frente.As três crianças escolhidas substituem as que estão no centro da roda.

14 - O CASTELO PEGOU FOGO
O castelo pegou fogo"Seu" Francisco deu" o sinal :

Acuda, acuda, acuda

A bandeira nacional !
Um, dois, três,Quatro, cinco, seis,Sete, oito nove,

Para doze faltam três !
Formação - Roda : uma criança no centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a primeira quadra e param, ao terminá-la.A criança que está no centro aproxima-se de uma companheira e, enquanto todas cantam o primeiro verso da segunda quadra, batendo palmas três vezes, as duas, frente a frente, com, as mãos na cintura, fazem os três seguintes movimentos: pulam sobre o pé esquerdo e, ao mesmo tempo, estendem a perna direita à frente, colocando o pé direito no chão; pulam novamente, trocando a posição dos pés, pulam outra vez, colocando o pé direito à frente. Da mesma maneira as duas se movimentam quando cantam o segundo, o terceiro e o quarto versos da quadra enquanto a roda continua batendo palmas.A criança escolhida, substitui a que está no centro da roda.

15 - O CÉU ESTÁ ESCURO
O céu está escuro

Mas não é para chover.

Meu amor está doente

Mas não é para morrer.
Foi uma rosaAinda em botão.

Foi um moreno

Que roubou meu coração.


Meu coração não posso dar

Por que não posso arrancar;

Se não morrerei,

Morrerei, não posso amar.


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira numa direção, cantando a primeira quadra e, em direção contrária, cantando a segunda. Ao terminá-las, pára e canta a terceira quadra batendo palmas ao ritmo da melodia enquanto a criança que está no centro , aproxime-se de uma companheira e, frente a frente, com as mãos na cintura, com ela pula, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente para frente.A criança escolhida, substitui a que está no centro da roda.

16 - CIRANDA, CIRANDINHA
Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar.

Vamos dar a meia volta,

Volta e meia vamos dar.
O anel que tu me deste

Era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.
Por isso, D. (nome da pessoa),

Entre dentro desta roda

Diga um verso bem bonito,

Diga adeus e vá-se embora.
Formação - Roda : uma criança fora e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando. Terminada a terceira quadra, a roda pára; a criança que está fora e cujo o nome foi citado, entra na roda, recita uma quadra e, a
seguir, escolhe uma companheira para substituí-la.


17 - A COBRA E A ROLINHA
A rolinha fez seu ninho,

Para os seus ovos chocar.

Vem a cobra, come os ovos...

A rolinha pos-se a chorar.
Bis :
Cala a boca, minha rola,

Que a cobra eu vou matar;

Os ovos que ela comeu

Ela há de me pagar.
Formação - Roda : crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a primeira quadra. Terminando-a, param, colocam as mãos nos ombros das companheiras e tendo uma delas por guia, deixam a formação em roda e avançam serpeando pelo terreno, enquanto cantam a segunda quadra.


18 - CONSTÂNCIA
Constância, bela Constância !Constância, bela será.

Será o cravo da fortuna

A volta que o mundo dá.
Entrei num jardim de flores,

Não sei qual escolherei;

Escolho a mais formosa,

Aquela que abraçarei.
Bis :
Dollin, dolelê !Dollin, dolalá !

Tocando a viola

Para se dançar.
Formação - Roda : uma criança fora e as outras de mãos dadas.

Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra na qual é mencionado o nome da criança que está fora. A criança entra na roda e canta, sozinha a segunda quadra, escolhendo, a seguir, uma companheira a quem dá as mãos, ficando ambas frente a frente. A roda, parada, canta a terceira quadra, batendo palmas ao ritmo da melodia enquanto as duas crianças saltitam, de lado, indo até o ponto oposto do círculo e voltando, várias vezes.A criança que foi escolhida substitui a que está no centro da roda.

19 - CRAVO BRANCO NA JANELA
Cravo branco na janela

É sinal de casamento;

Deixa disso, ó (nome da pessoa),

Que inda não chegou seu tempo.
Osquindô, lê lê !Osquindô lá lá !

Osquindô lê lê !Não sou eu que caio lá !
Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a primeira quadra na qual é mencionado o nome da que está no centro. Ao terminá-la, param e cantam a segunda quadra, batendo palmas ao ritmo da melodia, enquanto a criança aproxima-se de uma companheira e, ambas, tendo as mãos à cintura, pulam, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para frente.
20 - O CRAVO BRIGOU COM A ROSA
O cravo brigou com a rosa

Debaixo de uma sacada;

O cravo saiu ferido

E a rosa despedaçada.

O cravo ficou doente,A rosa foi visitar;O cravo teve um desmaio,A rosa pos-se a chorar.
Formação - Roda : crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando.

21 - DE ABÓBORA FAZ MELÃO
Bis :De abóbora faz melão,

De melão faz melancia.
Bis :Faz doce, sinhá, faz doce, sinhá

Faz doce de maracujá.
Bis :Quem quiser aprender a dançar

Vai à casa de "seu"Juquinha;

Ele pula, ele roda,

Ele faz requebradinho.
Formação - Roda : crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando os dois primeiros versos da primeira quadra. Ao terminá-los, param, deixam as mãos das companheiras e cantam os dois últimos fazendo o gesto de quem mexe uma panela. A seguir, dão novamente as mãos e caminham cantando os dois primeiros versos da segunda quadra.Ao terminá-los, param e entoam os dois últimos versos executando os movimentos determinados na letra: pulam, rodam no mesmo lugar e, com as mãos na cintura fazem requebros.
NOTA: - Este brinquedo também é feito com uma criança no centro da roda - "Seu Juquinha" - que, sozinho, executa os movimentos finais da letra.

22 - DOMINÓ
Por esta rua

Dominó !Passou meu bem,Dominó !Não foi por mim,Dominó !Foi por mais alguém ,Dominó !
Olha o passarinho,Dominó !Caiu no laço, Dominó !Daí-me um beijinho,Dominó !E um abraço,Dominó !
Formação - Roda : uma criança fora e as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A criança que está em destaque, canta os versos, volteando as companheiras que, andando ou paradas, respondem, ao final de cada verso: - Dominó! - abaixando a cabeça. Ao cantar os dois últimos veros , a criança do centro beija e abraça uma companheira que irá substituí-la.
NOTA: - Este brinquedo também é feito estando as crianças, de mãos dadas, aos pares, na roda. Ao final de cada verso, param de caminhar, viram-se para o centro da roda e, abaixando-se a cabeça, dizem : - Dominó !. Nos versos finais, os pares beijam-se e abraçam-se.

CANTIGAS DE RODA 02
01 - ESCRAVOS DE JÓ
Escravos de Jó

Jogavam o caxangá:

Tira, bota,Deixa o Zé Pereira* ficar.
Bis:
Guerreiros com guerreiros Fazem zigue, zigue, zá !
Formação - Roda : crianças de mãos dadas, de frente para o centro, tendo cada uma o seu par.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Em seguida, cada criança vira-se para o seu par e, com as mãos na cintura, pula ora num pé ora noutro, estendo as pernas alternadamente para a frente.
NOTA: - Este brinquedo também é feito da seguinte maneira :
Formação - Roda : crianças sentadas no chão ou em pé, ao redor de uma mesa. Cada criança deverá ter na mão uma pedrinha, uma caixa de fósforo ou outro objeto qualquer de pequena dimensão.
Maneira de Brincar - Cantando, cada criança coloca o objeto que está em suas mãos à frente da que se acha à esquerda, batendo-o e deixando-o sobre a mesa. A seguir, apanha o objeto à sua frente, deixado pela companheira à direita e, da mesma maneira passa-o à da esquerda. Assim continua o brinquedo passando-se os objetos e acentuando-se os tempos fortes da melodia. Ao cantarem - "Fazem zigue zique.... "- conservam o objeto na mão embora façam a movimentação descrita, acentuando agora integralmente o ritmo. Deixam o objeto à companheira da esquerda ao dizerem - "zá"- . Repetem-se os dois últimos versos.Acelera-se o andamento da música em cada repetição do brinquedo que também pode ser assobiado; em lá lá lá; de boca fechada ou marcando-se simplesmente o ritmo.
NOTA: - As crianças que errarem serão eliminadas.
* Também dizem : "Zambelê", "Zabelê", "Zamberê", "Zé Guerreiro", "Iberê".

02 - ESTOU PRESA
Estou presa, meu bem, estou presa,

Estou presa por um cordão.

Me solte, meu bem, me solte,

Me solte, meu coração.
Lá vem a lua saindo

Com três estrelinhas do lado;

A do meio vem dizendo

Que a (nome da pessoa) tem namorado.
Eu amo a letra (inicial do nome),

Por ela tenho paixão;

Com ela posso escrever;

(Nome da pessoa) do coração !
Formação - Roda : uma criança ao centro e as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando as duas primeiras quadras. Ao terminá-las, pára. A criança do centro cujo nome foi mencionado, canta a última quadra, na qual cita a inicial e o nome da companheira que irá substituí-la.

03 - EU CHOLE, CHOLE, LÁ
Tenho vinte e cinco letras

Eu chóle, chóle, lá.

Minha mãe quer escolher

Eu chóle, chóle, lá
Escolhei a qual quiser

Eu chóle, chóle, láA letra (inicial do nome) até morrer

Eu chóle, chóle, lá
Por isso, D. (nome da pessoa),

Eu chóle, chóle, lá.

Entro dentro desta roda,

Eu chóle, chóle, lá.
Diga um verso bem bonito

Eu chóle, chóle, lá.

Diga adeus e vá-se embora,

Eu chóle, chóle, lá.
Formação - Roda : uma criança fora e as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando os versos nos quais são citados a letra inicial e o nome da criança que está em destaque. Esta, quando for determinado pelas companheiras, entra na roda, diz uma quadra e escolhe, a seguir, uma criança para substituí-la.

04 - EU ERA ASSIM
1 - Quando eu era nenê, nenê, nenezinho,

Eu era assim... Eu era assim...
2 - Quando eu era menina, menina, menina,

Eu era assim... Eu era assim...
3 - Quando eu era mocinha, mocinha, mocinha,

Eu era assim... Eu era assim...
4 - Quando eu era casada, casada, casada

Eu era assim... Eu era assim...
5 - Quando eu era mamãe, mamãe, mamãe

Eu era assim... Eu era assim...
6 - Quando eu era vovó, vovó, vovó,

Eu era assim... Eu era assim...
7 - Quando eu era caduca, caduca, caduca,

Eu era assim... Eu era assim...
8 - Quando eu era caveira, caveira, caveira

Eu era assim... Eu era assim...
Formação - Roda : crianças da mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando os versos 1, 2, 3, 4, 5 , 6 ,7 e 8. Sempre que cantam - "Eu era assim"... - deixam as mãos das companheiras e caminham em roda, uma atrás da outra, fazendo a mímica correspondente à letra: "nenê"- embalando criança; "menina"- pulando corda; "mocinha"- pintando-se ao espelho; "casada"- passeando de braço dado; "mamãe"- dando palmadas; "vovó"- andando curvada; "caduca"- andando às tontas; "caveira"- fazendo caretas, tendo as mãos crispadas à altura do rosto.

05 - EU SOU CAMPONEZINHA
Eu sou camponezinha,

Do campo sou amiga.

Eu gosto da fadiga,

Pois, sou camponezinha
Estribilho :
Tra lá lá lá lá lá láTra lá lá lá lá lá lá
Levanto-me cedinho,Apanho a roca e o fuso;Depois, segundo o uso, Começo a trabalhar.
Sentido-me cansadaDo meu longo trabalho,À sombra de um carvalho,Eu fico a descansar.
Se eu fosse uma rainhaSeria coroada;Mas não fico zangada,Pois, sou camponezinha.
Formação - Roda : crianças de mãos dadas, de frente para o centro, tendo cada uma o seu par.
Maneira de Brincar - A roda gira no sentido dos ponteiros do relógio cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, os pares se dispõem de modo aformar duas rodas concêntricas, estando todas as crianças com o ombro direito voltado pra o centro.Os pares avançam saltitando em roda e cantam o estribilho, tendo as mãos dadas com os dois braços cruzados e segurando as duas mãos do seu par. A seguir, a roda é refeita e todas, andando, cantam a segunda quadra. Assim prossegue o brinquedo, cantando-se alternadamente o estribilho e as quadras.

06 - EU SOU POBRE, POBRE
Eu sou pobre, pobre, pobre,

De marré, marré, marré.

Eu sou pobre, pobre, pobre,

De marré deci.
Eu sou rica, rica, rica,

De marré, marré, marré.

Eu sou rica, rica, rica,

De marré deci.




Eu queria uma de vossas filhas,

De marré, marré, marré.

Eu queria uma de vossas filhas,

De marré deci.
Escolhei a qual quiser,

De marré, marré, marré.

Escolhei a qual quiser,

De marré deci.
Eu queria (nome da pessoa),

De marré, marré, marré,

Eu queria (nome da pessoa),

De marré deci.
Que ofício dais a ela ?

De marré, marré, marré.

Que ofício dais a ela ?

De marré deci.
Dou o ofício de (nome do ofício)

De marré, marré, marré.

Dou o ofício de (nome do ofício),

De marré deci.
Este ofício me agrada (ou não)

De marré, marré, marré.

Este ofício me agrada (ou não)

De marré deci.
Lá se foi a (nome da pessoa),

De marré, marré, marré.

Lá se foi a (nome da pessoa),

De marré deci.
Pra terminar :
Eu de pobre fiquei rica.

De marré, marré, marré.
Eu de rica fiquei pobre,

De marré deci.
Formação - Uma Fileira : crianças de mãos dadas, tendo ao centro a que representa a "mãe rica". Em frente, afastada, uma criança: a "mãe pobre".



Maneira de Brincar - A "pobre" canta os primeiro versos caminhando quatro passos para frente e recuando o mesmo número de passos. Repete. Em seguida a fileira canta - "Eu sou rica... " da mesma maneira, aproximando-se e afastando-se da menina. Repete. Assim, mantém-se um diálogo. A "mãe pobre" escolhe uma companheira que só vem para o seu lado se lhe agrada o ofício oferecido. É repetido várias vezes o brinquedo, até que todas as crianças, menos a "rica" tenham passado para o lado oposto. Finaliza-se então a brincadeira cantando "mãe pobre"e "mãe rica" os veros finais.
NOTA: - Embora a descrição do brinquedo seja a mais usada, a concepção de "mãe pobre" e "mãe rica" mudou. Interpretam certos grupos de crianças que "mãe pobre" é aquela que cheia de filhos, consente em cedê-los à "mãe rica" desde que lhe grade o ofício oferecido.

07 - EU TENHO UMA CASACA VELHA
Eu tenho uma casaca velha

Toda cheia de remendo;

As moças não me querem

Mas as velhas estão querendo.
Bis :
Auí ! Auá !(Nome da pessoa) é meu amor !
(Nome da pessoa), sacode a sala !

(Nome da pessoa), levanta o braço !

(Nome da pessoa), tem dó de mim !Ó

(nome da pessoa), me dá um abraço !


Formação - Roda : uma criança ao centro e as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a primeira quadra. Ao terminá-la param e com as mãos na cintura, de frente para o centro da roda, cantam: "Aui! Auá! (Nome da pessoa) é meu amor"- inclinando o corpo ora para a direita ora para a esquerda. A seguir, cantam a última quadra, na qual mencionam o nome da criança que está no centro. Esta executa os movimentos determinados na letra, podendo ou não, ser imitada pelas demais. Para terminar, com um abraço, escolhe a companheira que deverá substituí-la.

08 - EU VI TRÊS MENINAS
Eu vi três meninas

Na chaminé;

Tão pequeninas

Fazendo café !
Bis :
É pirão sem sal !É bolinho de bacalhau !
Formação - Roda : crianças de mãos dadas, ao centro formando uma outra roda, três crianças.
Maneira de Brincar - As crianças das duas rodas de mãos dadas saltitam cantando a quadra. A seguir, param. As crianças do centro desfazem a roda e procuram, cada uma, o seu par principal. Frente a frente, os pares pulam, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para frente enquanto as demias, batendo palmas no ritmo da melodia, cantam os veros finais.As três crianças escolhidas substituem as do centro da roda.


09 - EU VI UM PRETINHO
Eu vi um pretinho

Queria casar

Com uma viuvinha

Que soubesse lavar, soubesse lavar, soubesse lavar.
Bis ;
Auí ! Auá !Oi, tique, tique, tá !
Formação - Roda : crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando. No quarto verso, as crianças param e imitam os movimentos característicos das lavadeiras. A seguir, põem as mãos na cintura e inclinam o corpo, primeiro para a direita, depois para a esquerda, cantando - "Auí! Auá!" - e, por fim, batem palmas três vezes terminando a letra.Repetindo-se o brinquedo, substitui-se o movimento de lavar, por passar, coser, dançar, etc.

10 - EU VI UMA BARATA
Eu vi uma barata,

Na careca do vovô;

Assim que ela me viu

Bateu asas e voou.
"Seu"Joaquim-qui-rin-quim,

Da perna torta-ra-ta,

Dançando a conga-ra-ga,

Com a Maricota-ra-ta.
Formação - Roda : uma criança ao centro e as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda movimenta-se cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, pára e canta a segunda, batendo palmas no ritmo da melodia enquanto que a criança que está no centro, coloca-se frente a uma companheira e com ela pula, de pés juntos, primeiro à esquerda depois à direita, a seguir, `frente e, finalmente atrás - (seu Joaquim-qui-rin-quim). Repetem-se esses movimentos três vezes, finalizando a letra.A criança que foi escolhida substitui a que está no centro da roda.


11 - FIZ CAMA NA VARANDA
Fiz cama na varanda,

Esqueci o cobertor;

Deu vento na roseira,

Encheu a cama de flor.
Osquindô lê lê !

Osquindô lá lá !

Osquindô lê lê !

Não sou eu que caio lá !
Formação - Roda : uma criança ao centro e as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, pára. A criança que está no centro aproxima-se de uma companheira e, enquanto as demais cantam os últimos versos batendo palmas ao ritmo da música, as duas, frente a frente, pulam ora num pé ora noutro estendendo as pernas, alternadamente, para a frente.A criança escolhida substitui a que está no centro da roda.





12 - FUI A ESPANHA
Fui à Espanha

Buscar o meu chapéu,

Azul e branco

Da cor daquele céu.
Ora, palma, palma, palma !

Ora, pé, pé, pé !Ora, roda, roda, roda !

Caranguejo peixe é !
Caranguejo não é peixe,Caranguejo peixe é

Caranguejo só é peixe

Lá no fundo da maré.
Samba, crioula,Que veio da Bahia.

Pega na criança

E joga na bacia.
A bacia é de ouro,

Areada com sabão;Depois de areada,

Enxuga com o roupão.
O roupão é de seda,

Camisinha de filó,

Touquinha de veludo

Pra quem ficar vovó.
Em coro, falando :
A benção, vovó !A benção, vovó !
Formação - Roda : crianças, em número ímpar, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, param e cantam a segunda executando os movimentos indicados nos versos, isto é, batem palmas três vezes; batem o pé direito três vezes no chão, fazem uma volta completa no mesmo lugar. Na terceira quadra, caminham de mãos dadas. Na quarta com as mãos na cintura, caminham, uma atrás da outra. Nas duas últimas quadras, andam, de mãos dadas, fazendo a mímica referente à letra e, no verso final, abraçam uma companheira e pedem a benção à que ficou sem par - a "Vovó".


13 - FUI NO TORORÓ
Fui no TororóBeber água não achei;

Achei bela morena

Que no Tororó deixei.
Aproveita, minha gente,

Que uma noite não é nada,

Se não dormir agora,

Dormirá de madrugada.
Dona (nome da pessoa)

Ó Dona (diminutivo do nome da pessoa)

Entrarás na roda,

Ficarás sozinha !
Sozinha eu não fico,

Nem hei de ficar

Porque tenho (nome da pessoa),

Para ser meu par.
Põe aqui o teu pezinho,

Bem juntinho ao pé do meu

E, depois, não vá dizer

Que seu pai se arrependeu.
Eu passei por sua porta,

Um cachorro me mordeu.

Não foi nada, não foi nada !

Quem sentiu a dor fui eu.


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando as três primeiras quadras e pára, ao terminá-las. A criança do centro, cujo nome foi citado, canta, sozinha, a quarta quadra e, ao mencionar o nome de uma companheira, coloca-se à sua frente. Todas cantam a quinta quadra, batendo palmas no ritmo da melodia enquanto as duas, dão a mão direita, estendem a perna direita para frente e, firmando o calcanhar no chão, elevam a ponta do pé que vai percorrer um arco imaginário, tocando o chão várias vezes, ao chegar a cada uma das extremidades desse arco.Na quadra final, as crianças da roda, continuam batendo palmas enquanto as duas pulam, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente para a frente.A criança escolhida substitui a que está no centro.


14 - GATA "REBICHADA"
"Seu" príncipe está lá dentro

E a senhora está cá fora;

Por isso, D. (nome da pessoa),

Vai dizendo o que ela é ;
Bis :
É uma gata "rebichada"

Na boca do jacaré !
Bis:
Olê lê !Olá lá !

Toca viola

Que eu quero dançar !
Formação - Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Ao cantar - É uma gata "rebichada", na boca do jacaré - a criança que está afastada, corre volteando a roda, tendo a mão direita em pala na testa, como se estivesse procurando algo.Nos versos finais, enquanto todas cantam e batem palmas ao ritmo da música, a criança entra na roda, coloca-se à frente de uma companheira e com ela pula, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para a frente : "Olê lê, Olá lá". Entrelaçam o braço direito e giram fazendo uma volta completa: "Toca a viola que eu quero dançar". Repetem os versos finais, entrelaçando desta vez o braço esquerdo.


15 - GATINHA PARDA
Ai, minha gatinha parda !

Que em janeiro fugiu !

Quem achou minha gatinha ?

Você sabe, você sabe, você viu ?

16-GATO LADRÃO
A (nome da pessoa) na cozinha

Agarrada com o fogão;

Com dois olhos arregalados,

Parece um gato ladrão.
Osquindô lê lê !

Osquindô lê lê lá lá !Osquindô lê lê !

Não sou eu que caio lá !

17-GIROFLÉ, GIROFLÁ
Fui passear no Jardim CelesteGiroflê, giroflá.

Fui passear no Jardim Celeste,

Para te encontrar.
O que foste fazer lá ?Giroflê, giroflá.

O que foste fazer lá ?

Para te encontrar.
Fui colher as violetas,Giroflê, giroflá.

Fui colher as violetas,

Para te encontrar.
Pra que servem as violetas ?Giroflê, giroflá.

Pra servem as violetas ? Para te encontrar.
Se encontrasses com o soldado ?

Giroflê, giroflá.Se encontrasses com o soldado ?

Para te encontrar.
Eu faria uma continência,Giroflê, giroflá.

Eu faria uma continência,Para te encontar.
Se encontrasses com o rei ?Giroflê, giroflá.

Se encontrasses com o rei ?Para te encontar.
Tiraria o meu chapéu,Giroflê, giroflá.

Tiraria o meu chapéu,

Para te encontar.
Se encontrasses com a rainha ?

Giroflê, giroflá.

Se encontrasses com a rainha ?

Para te encontrar.
Eu faria um cumprimento,Giroflê, giroflá.

Eu faria um cumprimento.

Para te encontar.
Se encontrasses com o diabo ?Giroflê, giroflá.

Se encontrasses com o diabo ?

Para te encontar.
Eu faria o sinal da cruzGiroflê, giroflá.

Eu faria o sinal da cruz

Para te encontar.

18- LÁ NA PONTE DA VINHAÇA
Bis:
Lá na ponte da Vinhaça,

Todo mundo passa.
As lavadeiras fazem assim... (bis) Assim, assado,

Carne seca com ensopado !
As cozinheiras fazem assm... (bis)Assim, assado,

Carne seca com ensopado !


19- LÁ NAQUELE MORRO
Lá naquele morro, (bis)

Estão chamando assim ...

Mariquinha ! (bis)
É uma garota (bis)

Deste tamaninho assim...

Mariquinha ! (bis)
Quando ela crescer (bis)

Manda ela pra mim, Mariquinha ! (bis)
Galinha no galinheiro, (bis)

Bate com a asa assim...

Mariquinha ! (bis)
Porco no chiqueiro, (bis)

Bate com o rabo assim...

Mariquinha ! (bis)
Cavalo na cocheira, (bis)

Bate com a pata assim ...

Mariquinha ! (bis)



20 -LÁ VEM A LUA
Lá vem a lua saindo

Com três estrelas do lado,

A do meio vem dizendo

Que a (nome da pessoa) tem namorado
Estribilho:
Aí, (nome da pessoa) !

Aí, meu bem !

A vida é tão formosa,

Para quem amores tem !
A roupa de (nome da pessoa),

Não se lava com sabão.

Lava-se com água e rosa

Dentro do meu coração.

21- O LIMÃO
O Limão entrou na roda, ó Limão !

Ela anda de mão em mão, ó Limão !

Não chora, meu bem, não chora, ó Limão !

Consola meu coração, ó Limão !
Não se planta uma roseira, ó Limão !

Em lugar que tem ladeira, ó Limão !Não se pode morar perto, ó Limão !

Desta gente faladeira, ó Limão !
Senhora D. (nome da pessoa), ó Limão !

Entre dentro desta roda, ó Limão !

Diga um verso bem bonito, ó Limão !

Diga adeus e vá-se embora, ó Limão !


22- A LINDA ROSA
A linda Rosa juvenil, juvenil, juvenil,

A linda Rosa juvenil, juvenil.
Vivia alegre no seu lar, no seu lar, no seu lar

Vivia alegre no seu lar, no seu lar.
Mas uma feiticeira má, muito má, muito má,

Mas uma feiticeira má, muito má.
Adormeceu a Rosa assim... bem assim...bem assim...

Adormeceu a Rosa assim... bem assim...
Não há de acordar jamais, nunca mais, nunca mais,

Não há de acordar jamais, nunca mais.
O tempo passou a correr, a correr, a correr,

O tempo passou a correr, a correr.
E o mato cresceu ao redor, ao redor, ao redor,

E o mato cresceu ao redor, ao redor.
Um dia veio um belo rei, belo rei, belo rei,

Um dia veio um belo rei, belo rei.
Que despertou a Rosa assim, bem assim, bem assim,

Que despertou a Rosa assim, bem assim.


CANTIGAS DE RODA 03
01 -MACHADINHA


- Ah! Ah! Ah! Minha Machadinha !Ah! Ah! Ah!

Minha Machadinha !

Quem te pos a mão, sabendo que és minha ?

Quem te pos a mão, sabendo que és minha ?
- Se tu és minha, eu também sou tua.

Se tu és minha, eu também sou tua.

- Pula, Machadinha, para o meio da rua.

Pula, Machadinha, para o meio da rua.
No meio da rua, não hei de ficar.

No meio da rua não hei de ficar.

- Pula, Machadinha, para o seu lugar.

Pula, machadinha, para o seu lugar.
Falando:
Esta é a rosa,Este é o portão,

Esta é a chave

Do meu coração.
Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, pára. A "Machadinha" canta, sozinha, os dois primeiros versos da segunda quadra e a roda responde, cantando os dois últimos. Na terceira quadra, novamente a "Machadinha" canta e a roda responde. Finalmente a "Machadinha" aproxima-se da roda e, apontando várias companheiras, vai dizendo a última quadrinha, sendo substituída pela criança sobre a qual recair a palavra : "coração".
Nota: - Este brinquedo cantado é mais do agrado das crianças , quando se transforma em jogo : ao terminar a segunda quadra, a "Machadinha" foge e é perseguida pelas demais companheiras, sendo substituída por quem conseguir pega-la.


02 - MAMÃE É UMA ROSEIRA


Mamãe é uma roseira

Que o papai colheu;

Eu sou o botaozinho

Que a roseira deu.
Osquindô, lê lê !Osquindô lê lê lá lá !

Osquindô lê lê !Estica a perna, iaiá !


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára e canta a segunda , batendo palmas no ritmo da música, enquanto a criança que está no centro, de frente para uma companheira da roda, com ela pula, ora num pé ora noutro, estendo as pernas, alternadamente, para a frente. A criança escolhida substitui a que está no centro da roda.

03 -A MÃO DIREITA I
A mão direita tem uma roseira,

A mão direita tem uma roseira

Que dá flor na primavera,

Que dá flor na primavera.
Entrai na roda, ó linda roseira !

Entrai na roda, ó linda roseira !

Abraçai a mais faceira,

Abraçai a mais faceira.
A mais faceira eu não abraço,

A mais faceira eu não abraço,

Abraço a boa companheira,

Abraço a boa companheira.


Formação - Roda : uma criança fora e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando enquanto a criança do lado de fora acompanha o movimento segurando o braço de uma companheira. Durante a segunda quadra, a criança entra na roda, canta sozinha a última quadra e, com um abraço, escolhe aquela que irá substituí-la.


04 - MARCHA SOLDADO


Marcha soldado,Cabeça de papel !

Quem não marchar direito,

Vai preso pro quartel.
Formação - 1) Roda - 2) Várias colunas formando um pelotão.
Maneira de Brincar - As crianças marcham cantando, repetidamente, os versos.


05 - MARIQUINHA MORREU ONTEM
Mariquinha morreu ontem,

Ontem mesmo enterrou.

Na cova da Mariquinha

Nasceu um botão de flor !
Bis :
Nasceu, nasceu !Nasceu um botão de flor !


Formação - Roda : crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a primeira quadra. A seguir, param e cantam os versos finais, batendo palmas nos tempos fortes da melodia.

06 - MENINA VAI ANDANDO


Manina vai andando

Andando devagar

Escolha a mais faceira

Com quem quiser dançar
Bis :
É de são, são, são,

É de lá, lá.É de sào, são, são,

É de lá, lá, lá.

Escolha a mais faceira

Com quem quiser dançar.


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de brincar - A roda gira cantando a primeira quadra enquanto que a criança que está ao centro , caminha em sentido contrário. A seguir todas param. A criança aproxima-se de uma companheira e enquanto as demais cantam os versos finais batendo palmas no ritmo da melodia, as duas, frente a frente, com as mãos nos quadris, pulam ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para a frente : "É de são, são, são", etc.; entrelaçam o braço direito e giram fazendo duas voltas completas: "Escolha a mais faceira" etc. Repetem os versos finais, entrelaçando porém, o braço esquerdo. Terminando o canto, a criança escolhida substitui a que está no centro da roda.
Nota : - Este brinquedo cantado pode ser feito com mais de uma criança no meio da roda.

07 - MEU ANEL DE PEDRA VERDE


Meu anel de pedra verde,

A quem devo oferecer ?

Ofereço à companheira

Que á sabe agradecer.
Ora, um, dois, três;

Ora quatro, cinco, seis;

Ora, sete, oito nove,

Para doze faltam três !


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. A seguir, pára. A criança que está no centro aproxima-se de uma companheira e enquanto todas cantam, batendo palmas no ritmo da música, as duas, frente a frente, durante o primeiro verso da segunda quadra, dando passos pulados, aproximam-se, entrelaçam o braço direito e caminham permutando de lugar fazendo, a seguir, meia volta para ficarem novamente frente a frente. Cantando o segundo verso, entrelaçam o braço esquerdo e voltam aos seus primitivos lugares. Repetem esses movimentos, finalizando a quadra. A criança escolhida substitui a que está no centro da roda.


8 - O MEU CHAPÉU


O meu chapéu tem três pontas,

Tem três pontas, o meu chapéu;

Se não tivesse três pontas,

Não seria o meu chapéu.


Formação - Roda : crianças uma ao lado da outra, de frente para o centro da roda.
Maneira de Brincar - Paradas, as crianças cantam a quadra fazendo a mímica referente a letra. Ao repetirem a quadra omitem a palavra "chapéu" permanecendo no entanto a mímica ao mesmo referente. Em nova repetição , silenciam além de "chapéu" a palavra "pontas" permanecendo todavia, os gestos referentes à essas duas palavras. Prossegue o brinquedo até que a mímica substitua toda a letra.
Nota : - São eliminadas as crianças que pronunciarem as palavras omitidas.

09 - O MEU GALINHO


Há três noites que eu não durmo, olá, lá !

Pois, perdi o meu galinho, olá, lá !

Coitadinho, olá, lá !

Pobrezinho, olá, lá !

Eu perdi lá no jardim.
Ele é branco e amarelo, olá, lá !

Tem a crista vermelhinha, olá, lá !

Bate as asas, olá, lá !

Abre o bico, olá, lá !

E faz quiquiriquiqui.
Já rodei em Mato Grosso, olá, lá !

Amazonas e pará, olá, lá !

Encontrei, olá, lá !

Meu galinho olá, lá !No sertão do Ceará !


Formação - Roda : crianças de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças, andando ou paradas, cantam fazendo a mímica correspondente a letra.

10 - MEU PAI AMARROU MEUS OLHOS


Bis: Meu pai amarrou meus olhos,

Deus me queira perdoar !

Bis :Roubei a filha da cega,Numa noite de luar.
Bis :Meu pai amarrou meus olhos

Para com Pedro não casar;

Bis :A menina que tem dó de mim,

Venha meus olhos desamarrar.


Formação - Roda : uma criança ao centro, abaixada, tendo os olhos vendados e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar - A roda gira, cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára. A criança que está com os olhos vendados canta, sozinha, a segunda quadra. A seguir uma companheira da roda aproxima-se, coloca as mãos nos olhos e pergunta : "Quem é ? " A criança tenta advinhar e só é substiruida quando reconhece a voz da companheira.

11 - MINEIRA DE MINAS


Bis :Eu sou mineira de Minas

Mineira de Minas Gerais
Estribilho :
Bis :Rebola, bola

Você diz que dá, que dá;

Você diz que dá na bola,

Na bola você não dá.
Bis :Eu sou carioca da gema

Carioca da gema do ovo.
Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar - As crianças caminham, cantando os dois primeiros versos. Ao termina-los, param e cantam o estribilho, batendo palmas ao ritmo da melodia, enquanto a criança que está no centro, tendo as mãos na cintura, faz requebros. A seguir, escolhe uma companheira para substituí-la e a roda gira para cantar os versos finais. Repete-se o estribilho, com a movimentação já descrita e nova criança é escolhida.

12 - MINHA ROLINHA


Bis :Minha rolinha, voou, voou,

Caiu no laço se embaraçou.


Bis :Ai, me dá um abraço

Que eu desembaraço

A minha rolina

Que caiu no laço !


Formação - Roda : crianças de mãos dadas, de frente para o centro, tendo cada uma o seu par.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando os dois primeiros versos. Ao termina-los, pára. Os pares se defrontam e cantando a quadra final, entrelaçam o braço direito e giram, saltitando ou dando passos pulados.

13 - O MIUDINHO


Bis :(Nome da pessoa) entrou na roda

Pra dançar o miudinho;
Bis :Tirou... (nome da pessoa)

Prá dançar com ele sozinho.


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando os dois primeiros versos da quadra, sendo citado o nome da criança que está no centro. Esta escolhe uma companheira cujo o nome também é mencionado e com ela dança no meio da roda, enquanto as demais, paradas, cantam os dois últimos versos, batendo palmas no ritmo da melodia.

14 - A MODA DAS TAIS ANQUINHAS


A moda das tais anquinhas,

É uma moda arreliada

Que pondo o joelho em terra

Faz a gente ficar pasmada !
(Nome da pessoa), sacode a saia,

(Nome da pessoa), levanta o braço,

(Nome da pessoa), tem dó de mim,

Ó (nome da pessoa), me dá um abraço !


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára e canta a segunda citando o nome da criança que está no meio da roda. Esta executa os movimentos ordenados, isto é, sacode a saia. Levanta o braço, cruza os braços no peito e, finalmente, abraça uma companheira que vai para o centro substituí-la.

15 - NA CHAMINÉ


Eu vi a (nome da pessoa)

Na chaminé;

Tão pequeninaFazendo café !
Bis: É de chá, chá, chá !É de lá, lá, lá !


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando a quadra. Ao termina-la, param e cantam os dois veros finais, batendo palmas ao ritmo da melodia, enquanto a criança que está no centro aproxima-se de uma companheira e, com as mãos na cintura, frente a frente, com ela pula, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para frente. A criança escolhida substitui a que está no meio da roda

16 - NA JANELA DA ESCOLA


Eu vi a (nome da pessoa)

Na janela da escola,

Esperando o quarto ano

Para ver se tira cola.
Osquindô lê lê !

Osquindô lê lê lá lá !

Osquindô lê lê !

Não sou eu que caio lá !


Formação - Roda : uma criança no centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára e canta a segunda, batendo palmas no ritmo da melodia, enquanto a criança que está no centro, de frente para uma companheira da roda, com ela pula, ora num pé ora outro, estendendo as pernas, alternadamente, para frente. A criança escolhida, substitui a que esta no centro da roda.


17 - NA PRAÇA DA BANDEIRA


Bis :(Nome da pessoa) rasgou a saia

Acabou-se a brincadeira, oi !
Bis :Vamos ó (nome da pessoa),

À Praça da Bandeira.
Bis :Na Praça da Bandeira,

José me deu café, oi !

Ai, como é bom,

O café do "seu' José !


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando os dois primeiros versos da primeira quadra, mencionando o nome da criança que está no centro. Ao termina-los, pára. A criança aproxima-se de uma companheira cujo nome é citado e, enquanto todas cantam, finalizando a primeira quadra, as duas, frente a frente, dão a mão direita e estendem a perna direita à frente.
Firmam o calcanhar no chão mas a ponta do pé se eleva, para percorrer um arco imaginário, tocando o chão, várias vezes, ao chegar a cada uma das extremidades deste arco. Em seguida, a roda canta os dois primeiros versos da segunda quadra, batendo palmas no ritmo da melodia, enquanto as duas, mantendo as mãos dadas, pulam ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para frente. Com um movimento brusco do braço direito, puxam a companheira, permutando várias vezes, de lugar. A criança escolhida, substitui a que esta no centro da roda.

18 - NESTA RUA


Nesta rua, nesta rua

Tem um bosque

Que se chama, que se chama

Solidão;
Bis:
Dentro dele, dentro dele

Mora um anjo,

Que roubou, que roubou

Meu coração.
Se eu roubei, se eu roubei

Teu coração

Tu roubaste, tu roubaste

O meu também;
Bis :
Se eu roubei, se eu roubei

Teu coração,

É porque, é porque

Te quero bem !


Formação - Roda : uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando os oito primeiros versos. Em seguida pára. A criança que está no centro, canta, sozinha, os versos finais, abraçando, ao termina-los, uma companheira que ira substituí-la.


19 - OH ! QUE NOITE TÃO BONITA !


Oh ! que noite tão bonita !

Oh ! que céu tão estrelado !

Quem me dera estar agora

Perto do meu namorado !
Por isso, D. (nome da pessoa),

Entre dentro desta roda;

Diga um verso bem bonito,

Diga adeus e vá-se embora.


Formação - Roda : uma criança fora e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira cantando a primeira e segunda quadras. Em seguida, pára. A criança que está fora e cujo nome foi citado, entra na roda, recita uma quadrinha e, ao termina-la, escolhe a companheira que deverá substituí-la.

20 - ONDE ESTÁ A MARGARIDA ?


Onde está a Margarida ?

Olê, olê, olá !Onde está a Margarida ?

Olê, seus cavalheiros !
Ela está em seu castelo

Olê, olê, olá !

Ela está em seu castelo

Olê, seus cavalheiros !
Eu queria vê-laOlê, olê, olá !

Eu queria vê-la

Olê, seus cavalheiros !
Mas o muro é muito alto

Olê, olê, olá !

Mas o muro é muito alto

Olê, seus cavalheiros !
Tirando uma pedra

Olê, olê, olá !

Tirando uma pedra

Olê, seus cavalheiros !
Uma pedra não faz falta

Olê, olê, olá !Uma pedra não faz falta

Olê, seus cavalheiros !
Tirando duas pedrasOlê, olê, olá !Tirando duas pedrasOlê, seus cavalheiros !
Pra terminar :
Apareceu a MargaridaOlê, olê, olá !

Apareceu a Margarida

Olê, seus cavalheiros !


Formação - Roda : crianças, bem unidas umas as outras, formando o "castelo", seguram a saia da que se acha no centro: - a "Margarida" .

Fora, uma criança.
Maneira de Brincar - A criança que está afastada, cantando a primeira quadra, volteia o "castelo" que responde cantando a segunda. Assim prossegue o diálogo. Ao cantar : - "Tirando uma pedra..." a criança que está fora, escolhe uma companheira, dá-lhe a mão e continua volteando o "castelo".Ao cantar "Tirando duas pedras..." , nova criança é escolhida e, deixando as companheiras, vai dar a mão àquela que saiu primeiro da roda. E, assim, sucessivamente, até que desfeito o "castelo" todas cantam a quadra final, batendo palmas no ritmo da melodia, enquanto a "Margarida" faz corrupio com a menina que iniciou o brinquedo.

21 - PAI FRANCISCO


Pai Francisco entrou na roda

Tocando seu violão:Dararão, dão, dão Dararão, dão, dão !

Vem de lá "seu" delegado,E pai FranciscoVai pra prisão.
Bis :
Como ele vemTodo requebradoParece um bonecoDesengonçado !
Formação - Roda : uma criança fora - o "Pai Francisco" - e, as outras, de mãos dadas.
Maneira de Brincar - A roda gira, cantando. No terceiro e quarto versos, as crianças deixam as mãos das companheiras e fazem mímica correspondente à letra. Novamente dão as mãos e continuam cantando e girando em roda. Na quadra final, enquanto todas, paradas, batem palmas no ritmo da melodia, o "Pai Francisco" entra na roda, fazendo requebros. Ao terminar, escolhe a criança que deverá substituí-lo.

22 - PASSARÁS NÃO PASSARAÁS


Passarás, não passarás

Algum "dele" há de ficar

Se não for o da frente

Há de ser o de trás.
Bom barqueiro, bom barqueiro

Que me deixes eu passar

Tenho filhos pequeninos

Que não posso sustentar.


Formação - Uma coluna e duas crianças destacadas : Estas, frente a frente, dão as mãos e levantam os braços formando arcos. As demais companheiras, mais longe formam uma coluna colocando cada uma, as mãos nos ombros da que lhe fica a frente. Uma delas, a guia ou "mãe", dá a mão à primeira criança da fila.


Maneira de Brincar - As duas crianças que formam o arco, sem que as demais o saibam, escolhem entre si, o nome de duas flores, (frutos ou objetos) para representar o partido do céu e o inferno. A guia desloca a coluna ou fila pelo terreno e cantando, passa sob o arco que se abaixa para prender a última criança. Esta, depois que a coluna segue seu caminho, é interrogada sobre qual das duas flores prefere. Dada a resposta, a criança coloca-se atrás daquela que a representa. Assim continua o brinquedo até que a coluna desapareça, inclusive o guia.
Formam-se dois grupos de crianças que, de pé ou sentadas se dispõem em duas fileiras que se defrontam. As crianças do partido do céu deverão passar uma a uma, sem rir por entre as fileiras, se não conseguir irão para o lado do inferno. Das companheiras, recebem beijos e sorrisos e das do partido contrário, caretas e gracejos. Quando todas tiverem passado, terminará o brinquedo.

CANTIGAS DE RODA 04


01-PEDRA DE AMOLAR


Bis :A (nome da pessoa) é pedra, oi,

É pedra de amolar.
Bis :Coitadinha delazinha

Que não sabe namorar.
Bis: Namorar eu sei,

Eu não sei é me casar.
Bis : É mais fácil namorar.

É difícil se casar.


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar - As crianças caminham cantando os dois primeiros versos da primeira quadra nos quais é citado o nome da criança que está no centro. Ao terminá-los, param, deixam as mãos das companheiras e cantam os dois últimos versos da primeira quadra enquanto a criança, caminhando em sinusosa, passa ora pela frente ora por trás das companheiras que formam a roda. Em seguida, aproxima-se de uma e, enquanto as demais cantam os dois primeiros versos da segunda quadra, batendo palmas no ritmo da melodia, as duas, frente a frente, com as mãos na cintura, pulam, ora num pé ora noutro estendendo as pernas, alternadamente, para frente.Nos dois últimos versos, as crianças continuam cantando e batendo palmas enquanto o par faz currupio no meio da roda.


02-PERDI MEU ANEL


Perdi meu anel

No buraco da parede

Quem achar, me dá de volta

Meu anel de pedra verde.
Osquindô lê Lê !

Osquindô lê lê lá lá !

Osquindô lê lê !

Não sou eu que caio lá !


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar - A Roda gira cantando a primeira quadra e pára, ao termina-la. A criança que está no centro aproxima-se de uma companheira e enquanto as demais cantam a última quadra, batendo palmas, no ritmo da melodia, as duas, frente a frente, tendo as mãos na cintura, pulam ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para a frente.A criança escolhida substitui a que está no centro da roda.

03-PIÃO NO CHÃO


Bis :A (nome da pessoa) não é capaz

De botar o pião no chão.
Bis :Lá vai, lá vai, lá vai,

Lá vai o pião no chão !


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando os dois primeiros versos citando o nome da criança que está no centro. A o termina-los, pára e canta os dois últimos, batendo palmas ao ritmo da melodia enquanto a criança , com as mãos na cintura, requebrando-se, abaixa-se, ergue-se, abaixa-se e ergue-se novamente. A seguir, escolhe uma companheira para substituí-la.


04- PIRULITO QUE BATE BATE


Pirolito que bate, bate,

Pirolito que já bateu...

Quem gosta de mim é ela;

Quem gosta dela, sou eu.
Pirolito que bate, bate,

Pirolito que já bateu.

A menina que eu amava,

Coitadinha, já morreu...


Formação – Roda : Crianças, duas a duas se defrontando, dispostas de lado para o centro.


Maneira de Brincar – Cada criança, de frente para o seu par, cantando a primeira quadra, faz os seguintes movimentos:


1º verso – bate a palmas das mãos na parte superior da coxa. A seguir, bate palmas uma vez e, finalmente, virando as palmas das mãos (estando os dedos voltados para cima) na direção do par, bate na palma das mãos deste, uma vez.


2º verso – são repetidos os movimentos do primeiro verso.
3º verso – bate palmas uma vez. Bate a palma da mão direita (estando os dedos voltados para cima) na palma da mão direita do par e bate palmas outra vez.


4º verso – repete com a mão esquerda o movimento que no 3º verso foi feito com a mão direita. Bate palma mais uma vez. Bate a palma da mão direita na palma da mão direita do par. E, finalmente, bate palma mais uma vez.


A movimentação é idêntica para a segunda quadra. Em cada repetição do brinquedo o andamento da música é acelerado.

05-PLANTEI UM PÉ DE ALFACE


Bis :Plantei um pé de alface

(Nome da pessoa) tirou um galho, oi !
Bis :Rebola, Chuchu, rebola,

Rebola se não eu caio !


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando os dois primeiros versos. Ao termina-los, pára. A criança que está no centro aproxima-se de uma companheira e enquanto todas cantam os dois versos finais, batendo palmas no ritmo da melodia, as duas pulam, ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para a frente.A criança escolhida substitui a que está no centro da roda.

06-POBRE PEREGRINO


Um pobre peregrino

Que anda de porta em porta,

Pedindo uma esmola

Pelo amor de Deus !
Por caridade senhora,

O peregrino é pobre !

Dá-me uma esmola

Pelo amor de Deus !


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára. A criança que está no centro, ajoelha-se diante de uma companheira da roda e, de mãos postas, canta, sozinha a segunda quadra. Em seguida, ambas dão as mãos e fazem currupio enquanto as demais repetem as duas quadras, cantando-as em andamento acelerado e batendo palmas ao ritmo da melodia.A criança escolhida substitui o "pobre peregrino".

07-POMBINHA BRANCA


- Pombinha branca

O que está fazendo ?

- Estou lavando a louça

Para o casamento.
A louça é muita,

Eu sou vagarosa;

Minha natureza

É de preguiçosa.


Formação – Roda : As crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando.

08-POMBINHA ROLINHA


Pombinha rolinha

Passou por aqui;

Comendo e bebendo

Fazendo assim ...
Bis :
Assim ... Assim ...Assim ...

Outra vez assim ...


Formação – Roda : Crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças caminham cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, param e, com as mãos nos quadris, cantam os versos finais inclinando o corpo, ora para a direita ora para a esquerda.

09-A POMBINHA VOOU ...


Pombinha quando tu fores,

Escreve pelo caminho;

Se não achares papel,

Nas asas de um passarinho.
Da boca, faz um tinteiro,

Da língua, pena dourada,

Dos dentes, letra miúda,

Dos olhos, carta fechada.
Bis :
A pombinha voou, voou, voou

Ela foi-se embora e me deixou.


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando as duas quadras. Ao terminá-las, pára e canta os versos finais, batendo palmas no ritmo da música enquanto a criança que está ao centro, com os braços erguidos lateralmente, movimenta-os para baixo, para cima e corre saltitando dentro da roda. Uma companheira é escolhida para substituí-la.

10-Ó PRETA, Ó PRETA !


Ó preta, ó preta !Lá de Lisboa !

Jogar as cartas

É coisa boa.
Ó meu senhor, eu fui passando

Por detrás da bananeira,

Diz o preto para a preta:

Oh ! que linda brincadeira !

– Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára e canta a segunda batendo palmas no ritmo da melodia enquanto a criança que está no centro, caminhando em sinuosa, passa, ora pela frente ora por trás das companheiras que formam a roda.Terminado o canto é escolhida uma criança que substitui a que está no centro.

11-QUE LINDO OLHOS


Que lindos olhos,Que lindos olhos tem (nome da pessoa) !

Que ainda hoje,

Que ainda hoje eu reparei.
Se eu reparasse,

Se eu reparasse há mais tempo,

Eu não amava,

Eu não amava a quem amei.


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças caminham cantando os versos nos quais citam o nome da que está no centro. Esta, ao terminar o canto, escolhe a companheira que deverá substituí-la.

12-RODA PIÃO !


O Pião entrou na roda, ó Pião ! (bis)
Estribilho :
Roda, ó Pião ! Bambeia, ó Pião ! (bis)
Sapateia no terreiro, ó Pião ! (bis)

Mostra a tua figura, ó Pião (bis)

Faça uma cortezia, ó Pião ! (bis)

Atira a tua fieira, ó Pião ! (bis)

Entrega o chapéu a outro, ó Pião ! (bis).


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças caminham cantando o primeiro verso. Ao terminá-lo, param e cantam o estribilho imitando a criança que está no centro que, com as mãos na cintura, faz uma volta completa no mesmo lugar e se requebra. Assim prossegue o brinquedo executando o "Pião", sozinho, enquanto a roda gira, as ordens determinadas nos versos. No final, escolhe uma companheira que deverá substituí-lo.

13- SAMBA-LELÊ


Samba-Lelê está doente,

Está com a cabeça quebrada.

Samba-lelê precisava

De umas dezoito lambadas.
Estribilho :
Bis :
Samba, samba, samba, ô Lelê !

Pisa na barra da saia, ô Lelê !
- Ó morena bonita,

Como é que se namora ?

- Põe o lencinho no bolso,

Deixa a pontinha de fora.
- Ó morena bonita,Como é que se casa ?

- Põe o véu na cabeça,

Dá o fora de casa.
Ó morena bonita,

Como é que se cozinha ?

- Põe a panela no fogo,

Vai conversar com a vizinha.
- Ó morena bonita,

Onde é que voce mora ?

- Mora na Praia Formosa,

Digo adeus e vou embora.


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando a primeira quadra. Ao termina-la, pára e canta o estribilho, batendo palmas ao ritmo da melodia enquanto a criança que está no centro executa os movimentos determinados. Alternadamente são cantadas as quadras e o estribilho sendo que nos dois primeiros versos de cada quadra, a roda canta girando e nos dois que a finalizam, pára e ouve a criança que está no centro que canta sozinha. Fazendo a mímica correspondente a letra.

14-SAPATINHO BRANCO


Pão, pão, pão,

Era leite, era pão.

Sapatinho branco,

Meínha de algodão.


Formação – Roda : As crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando e repete várias vezes a quadra, acelerando-se de cada vez o seu andamento.

15-SAPO JURURU


Sapo jururu

Na beira do rio

Quando o sapo grita, ó maninha !

Diz que está com frio.
A mulher do sapo

É que está lá dentro

Fazendo rendinha, ó maninha !

Pro seu casamento.


Formação – Roda : Crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando.


16-SE ESTA RUA FOSSE MINHA


Se esta rua

Se esta rua fosse minha,

Eu mandava


Eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas

Com pedrinhas de brilhantes,

Para ver

Para ver meu bem passar.
Nesta rua, nesta rua
Tem um bosque
Que se chama, que se chama
Solidão
Dentro dele, dentro dele
Mora um anjo
Que roubou, que roubou
Meu coração
Se eu roubei, se eu roubei
Teu coração
Tu roubaste, tu roubaste
O meu também
Se eu roubei, se roubei
Teu coração
É porque, é porque
Te quero bem


Formação – Roda : Crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando.

17-SENHORA VIÚVA
Naquele rochedo tão alto

Que nnguém pode alcançar,

Sentou-se uma pobre viúva

Sentou-se e pos-se a chorar, a chorar, a chorar.
Dizei, senhora viúva,

Com quem quereis vos casar:

Se com o filho do conde

Ou com o senhor general, general, general.
Não é com nenhum desses homens

Que eles não são para mim

Eu sou uma pobre viúva

Triste, coitada de mim, ai, de mim, ai, de mim !
Morreu meu marido

No meio das flores.

Acabou-se a alegria,

Acabaram os amores.
Coberta de luto,

De luto fechado,

Semanas inteiras,

Eu tenho chorado ! ...


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando as duas primeiras quadras. Ao termina-las, pára; a "viúva" canta as três últimas e abraça, a seguir, uma companheira que deverá substituí-la.

18-SENTADA NUMA CADEIRA


Sentada numa cadeira,

Seu nome eu escrevi.
Bis :Soletrando letra por letra

Na cadeira eu adormeci.
Eu amo a letra (inicial do nome),

Por ela tenho paixão

Bis :Com ela é que se escreve

(Nome da pessoa) do meu coração.


Formação – Roda : Uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando a primeira quadra. Ao termina-la. Pára. A criança que está no centro, canta sozinha a segunda, na qual menciona a inicial e o nome da companheira que deverá substituí-la.

19-SOLIDÃO


Da solidão (bis)

Se deve fugir
Bis :Com as companheiras,

Se deve brincar.
Vem, ó menina,(bis)

Junto de mim
Bis :És uma menina

Que saltas bem.
Lá lá lá lá


Formação – Roda : Duas crianças ao centro, frente a frente, com ambas as mãos dadas.


Maneira de Brincar – De mãos dadas as crianças da roda caminham, cantando a primeira quadra enquanto as duas do centro adiantam a perna direita e tocam o chão, várias vezes, com a ponta do pé ora à direita ora à esquerda. Ao ser cantada a segunda quadra, o par se desfaz indo cada criança escolher na primeira roda, uma companheira. Voltam os dois pares ao centro, tendo as crianças de mãos dadas, dispondo-se então, um pouco afastadas, de lado uma para o outro. Ao ser cantado o - "Lá lá lá..." – a roda pára e bate palmas ao ritmo da música enquanto os dois pares saltitam permutando de lugares. Quando se cruzam, as duas crianças que formam um dos pares, previamente determinado, afastam-se um pouco, para que o par vizinho possa passar entre elas. Com a mesma movimentação, voltam a seus primitivos lugares. Repetem, várias vezes, o movimento até terminar o canto.As duas crianças que foram escolhidas substituirão o par que iniciou o brinquedo.

20-TANGO, TANGO


Tango, tango, tango, ó maninha !É de carrapicho !

Bota (nome da pessoa),

Na lata do lixo.


Formação – Roda : Crianças de mãos dadas.

de Brincar – A roda gira cantando. A criança cujo nome foi citado vai para o centro. Repete-se a quadra e outra criança vai também para o centro. Assim prossegue o brinquedo até que a roda desapareça. Nesta ocasião as crianças saem todas pulando e gritando, várias vezes, com os braços levantados :"A lata furou,O lixo se espalhou !"

21-TERESINHA, ABRE A PORTA !


- Teresinha de Jesus

Abre a porta, vê quem é ?
- É um homem pequenino

Que tem medo de mulher.


Formação – Roda : Uma criança ao centro, outra fora e, as demais de mãos dadas.


Maneira de Brincar – Determina-se, na roda, uma "porta imaginária" que corresponde aos braços de duas crianças de mãos dadas. Atrás dela fica criança que está do lado de fora.A roda, parada canta a quadra e, ao termina-la, a criança do centro, aproxima-se da "porta" e separa as mãos das duas companheiras que a formam. Nesta ocasião, a criança que está fora da roda, abaixa-se imitando uma pessoa pequenina.Cada criança escolhe aquela que deverá substituí-la.

22-TERESINHA DE JESUS


Teresinha de Jesus

Deu uma queda foi ao chão;

Acudiram três cavalheiros,

Todos de chapéu na mão.
O primeiro foi seu pai,

O segundo seu irmão;

O terceiro foi aquele

Que a Teresa deu a mão.
Teresinha levantou-se,

Levantou-se lá do chão;

E, sorrindo disse ao noivo :

Eu te dou meu coração.
Tanta laranja madura

Tanto limão pelo chão.

Tanto sangue derramado

Dentro do meu coração.
Da laranja, quero um gomo,

Do limão, quero um pedaço,

Da (nome da pessoa), quero um beijo,

Da (nome de outra pessoa), um abraço.


Formação – Roda : Uma criança abaixada no centro – "Teresinha de Jesus" – e perto dela, os cavalheiros : - "pai", "irmão"e "noivo" – as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando. Na segunda quadra, o "pai" dá um passo em direção à "Teresinha", a seguir, o "irmão" e, finalmente , o "noivo" auxilia "Teresinha" a levantar-se, dando-lhe a mão."Teresinha", estando a roda parada, canta as duas últimas quadras e, ao termina-las, aproxima-se de uma companheira da roda, beija-a e finalmente, abraça aquela que deverá substituí-la.

CANTIGAS DE RODA 05


01 - UMA BONEQUINHA


Bis :Uma bonequinha

Na roda entrou;

Bis :Deixai-a rodar

Que ela ainda não rodou.
Bis :- Rodai, rodai,Rodai, bonequinha !

Bis :Não queiras ficar,

Na roda sozinha.
Bis :- Na roda sozinha,

Eu não fico, não

Pois, tenho a (nome da pessoa)

Que é do meu coração.


Formação – Roda: uma criança no centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando as duas primeiras quadras. A criança que está no centro executa os movimentos determinados na letra e canta sozinha, a última quadra na qual cita o nome de uma companheira que irá substituí-la.


02 - VAMOS PASSEAR NO BOSQUE


Estribilho :
Bis : Vamos passear no bosque

Enquanto "seu" Lobo não vem.
Todas, falando :- "Seu" Lobo está aí ?Lobo :

- Está.Todas :- Que está fazendo ? Lobo :

- Tomando banho.


Formação – Crianças de mãos dadas. Uma afastada – "o Lobo".


Maneira de Brincar – As crianças, cantando o estribilho, aproximam-se do "Lobo". Param e estabelecem com ele um diálogo. Ao termina-lo, afastam-se alguns passos e retornam cantando o estribilho. Concluido este, voltam a dialogar com o "Lobo". Assim continua o brinquedo, alternando-se o estribilho e o diálogo respondendo o "Lobo" o que lhe ocorrer: - "Enxugando-se’. – "Vestindo as calças" – etc. Quando estiver pronto responde: - "Saindo de casa!"- Imediatamente corre atrás das crianças e a quem conseguir pegar, será o novo "Lobo".

03 - VESTIDINHO BRANCO


Bis :Vestidinho brancoEm todas fica bem;

Bis :Mas na (nome da pessoa), meu bem !Mais do que ninguém.
Bis:Mais do que ninguémOu por dentro ou por fora;

Bis :É a letra (inicial do nome), meu bem !Que ela namora.
Bis :Que ela namoraE sempre namorou;

Bis :Ao sair de casa, meu bem !A mão lhe apertou.
Bis :A mão lhe apertou

Muito bem apertadinha

Bis :Pro ano se Deus quiser, meu bem !(Nome da pessoa) está casadinha.


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando. Na primeira e na última quadras, cita-se o nome da criança que está no centro. Esta, na segunda quadra, menciona a inicial do nome de uma companheira a quem, no final dos versos, aperta a mão e é por ela substituída.


04 - VOCÊ GOSTA DE MIM ?


- Você gosta de mim, ó (nome da pessoa) ?

- Eu também de você, ó (nome da pessoa) !

- Vou pedir a seu pai, ó (nome da pessoa) !

Para casar com você, ó (nome da pessoa) !
Se ele disser que sim, ó (nome da pessoa) !

Tratarei dos papéis, ó (nome da pessoa) !

Se ele disser que não, ó nome da pessoa) !

Morrerei de paixão, ó (nome da pessoa) !
Palma, palma, palma, ó (nome da pessoa) !

Pé, pé, pé, ó (nome da pessoa) !

Roda, roda, roda, ó (nome da pessoa) !

Abraçai a quem quiser, ó (nome da pessoa) !


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira, cantando os versos nos quais é mencionado o nome da criança que está no centro. Na terceira quadra, as crianças param e executam os movimentos determinados na letra. Ao terminá-la, a criança que está no centro, abraça a companheira que deverá substituí-la.

05 - VOCÊ QUER SER FREIRA ?


Bis :- Ó (nome da pessoa), você quer ser freira ?

- Não senhora, quero me casar.

Bis :Eu namorei, e hei de namorar

Com a letra (inicial do nome), eu quero me casar.


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando o primeiro verso da quadra. A criança que está no centro responde cantando os versos finais nos quais cita a inicial do nome da companheira que deverá substituí-la.

06 - ABRE A RODA !
Estribilho :
Abre a roda, tindô lê lê !Abre a roda, tindô lá lá !

Abre a roda, tindô lê lê !Oi, tindô lê lê, oi, tindô lá lá !
Solo :
Minha mãe que tanto sofre

Carregando minha cruz

Só não é Nossa Senhora

Por não ser mãe de Jesus.
Amanhã eu vou embora,

Que me dão para levar ?

Levo penas e saudades,

No caminho eu vou chorar. ]


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando o estribilho. Ao terminá-lo, pára. A criança quês está no centro, canta sozinha, com a mesma melodia, uma quadra e, a seguir, escolhe uma

08 - ALECRIM
1. Alecrim, alecrim dourado.

Que caiu no campo

E não foi semeado.
Estribilho :
Ai, meu amor !

Quem te disse assim :

Que a flor do campoÉ o alecrim
2. Alecrim, alecrim aos molhos

Por causa de ti

Choram os meis olhos.
3. Alecrim, alecrim

Que se esvoaçou

Mais além brotou.
4. Alecrim do meu coração

Que nasceu no campo

Com esta canção.
5. Alecrim, alecrim a arder

O teu futuro é santo

Junto a Deus vai ter.


Formação – Roda: crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando os grupos de versos 1, 2, 3, 4 e 5 alternadamente ao estribilho.


09 - ALPERCATA DE ALGODÃO


Bis : Você subiu aquela serra

De alpercata de algodão
Bis :Alpercata-ta

Pegou fogo-go

Me deixou, me deixou

De pé no chão, chão, chão !


Formação – Roda: crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças cantam, paradas, os dois primeiros versos fazendo mímica correspondente à letra. A seguir, todas dão as mãos e, correndo no ritmo da melodia, cantam os quatro versos finais. Ao dizerem – "chão, chão – param, batem palmas, duas vezes. Tornam a cantar os quatros versos, girando em sentido contrário.

10 - AMANHÃ É DOMINGO


Amanhã é Domingo,

Pé de cachimbo;

O cachimbo é de barro,

Dá no jarro;

O jarro é fino,Dá no sino;

O sino é de ouro,

Dá no touro;

O touro é valente,

Dá na gente;

A gente é fraco,

Cai no buraco !


Formação – Roda: crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças saltitam em roda, cantando. Ao dizerem a última palavra da letra, sem deixar as mãos das companheiras, param e abaixam-se.


11 - ANEL DE PEDRA VERDE


Meu anel de pedra verde,

A quem hei de oferecer ?

Ofereço à (nome da pessoa),

Que já sabe agradecer.
Bis :Este mundo é fim de amores,

Não posso deixar de amar.


Formação – Roda: uma criança ao centro, de posse de um anel, e as outras de mãos dadas.


Maneira de Brincar – Enquanto todas cantam a quadra, a criança que está no centro aproxima-se de uma companheira cujo nome é então mencionado no canto. Entregando-lhe o anel leva-a para o meio da roda.Todas cantam, paradas, os dois versos finais, batendo palmas no ritmo da melodia enquanto as duas se defrontando, dão a mão direita, erguem o braço aproximadamente à altura do ombro e, andando, fazem uma volta completa. Na repetição dos versos dão a mão esquerda e giram em sentido contrário.

12 - AO PASSAR DA BARCA


Ao passar da barca,

Me disse o barqueiro:

- Menina bonita

Não paga dinheiro.
- Eu não sou bonita

E nem quero ser,

Eu tenho dinheiro

E pago a você.
Eu sou viuvinha

Do conde Lerém

Eu quero casar

Não acho com quem.
- Uma moça tão bela,

Se queres casar,

Escolhea teu gosto

Que hás de achar.
- Escolho a (nome da pessoa)

Por ser a mais bela,

A flor mais singela

Que há no jardim


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, pára e ouve a criança que está no centro que canta a segunda e terceira quadras. Em movimento, a roda canta a quarta quadra e a criança responde cantando a última na qual menciona a companheira que a substituirá.


14 - A BARATA


A barata diz que temSete saias de filó,

É mentira da barata,

Ela tem é uma só.
Estribilho:
Ah! Ah! Ah!Oh! Oh! Oh!Ela tem é uma só !
A barata diz que tem

Um anel de formatura

É mentira da barata,

Ela tem é casca dura.
A barata diz que tem

Uma cama de marfim.

É mentira da barata,

Ela tem é de capim.
A barata diz que tem

Um sapato de fivela,

É mentira da barata,

O sapato é da mãe dela.
A barata diz que tem

O canelo cacheado,

É mentira da barata

Ela tem coco raspado.


Formação – Roda: crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças caminham cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, param e, com as mãos na cintura, inclinam o corpo para trás, sacodem os ombros, fingindo dar risada. A seguir, fazem a mímica correspondente à letra. Alternadamente, são cantadas as quadras e o estribilho cujo verso final corresponde ao último verso de cada uma das quadras.

15 - A BARCA VIROU


A barca virou,

No fundo do mar,

Porque a (nome da pessoa)

Não soube remar.
Adeus (nome da pessoa) !

Adeus, Maranhão !Adeus, (nome da pessoa) !

Do meu coração !


Formação – Roda: crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando. A criança cujo nome foi mencionado na primeira e segunda quadras, sai da roda.Repetem-se as quadras,citando-se o nome de cada criança que estava à esquerda daquela que saiu. As duas crianças dando as mãos iniciam uma nova roda.Assim prossegue o brinquedo até que a roda desapareça.

16 - BELA PASTORA II


Lá em cima daquela montanha

Avistei uma bela pastora

Que queria entrar na roda,

Que queria vir brincar.
Bela pastora, entrai na roda

Para ensinar como é que se dança:

Uma volta, meia volta,

Abraçai quem mais amar.
Solo: Coro:
Quando eu vim de Maraú De Maraú !

Quase que eu não tomo pé Não tomo pé !

Por causa de um remador De um remador !

Que remou contra a maré Contra a maré !
Bis:
Aí, (nome da pessoa), tenha compaixão !

Não martirize o meu pobre coração !


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar - A roda gira cantando as duas primeiras quadras. Durante a segunda, a criança destacada – "Bela pastora"- entra na roda e canta a terceira quadra, repetindo as companheiras, as últimas palavras de cada verso. Para terminar a "Bela pastora", cantando os versos finais, escolhe a companheira que deverá substituí-la.


17 - BELA ROSEIRA


No meu jardim tem uma roseira,

No meu jardim tem uma roseira,

Que bota rosas no mês de maio,

Que bota rosas no mês de maio.
Entrai, entrai, bela roseira !

Entrai, entrai, bela roseira !

Fazei caretas pra quem não gostar

E abraçai a quem gostar mais.


Formação – Roda: uma criança fora e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira cantando. Na segunda quadra, a criança entra na roda e faz mímica correspondente à letra. Escolhe a seguir, a companheira que irá substituí-la.

18 - BELO, BELO !


Belo, belo, belo !

Tenho tudo quanto quero:

Tenho a minha dama,

Vestidinha de amarelo.


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – As crianças caminham cantando a quadra. Ao terminá-la, param e a repetem, em andamento vivo, batendo palmas no ritmo da melodia enquanto a criança que está no centro da roda, aproxima-se de uma companheira e, frente a frente, com as mãos na cintura, as duas pulam ora num pé ora noutro, estendendo as pernas, alternadamente, para frente. A criança escolhida substitui a do centro da roda.

19 - O BOBÃO


O bobão entrou na roda, ô bobão !

Ele é um toleirão, ô bobão !

Está vendo o anel passar, ô bobão !

Não sabe por a mão.
Bis:
Vai, vai, vai !Vem, vem, vem !

O anel por aqui passou !


Formação – Roda: uma criança ao centro e as outras, de frente para o meio da roda, seguram um cordão cujas extremidades estão atadas e no qual foi enfiado um anel.


Maneira de Brincar – Todas cantam movimentando os braços e fazendo correr, de mão em mão, o anel sem que a criança que está no meio da roda, o perceba. Esta deverá segurar a mão da companheira que julga estar de posse, no momento, do anel procurado. Se acertar, permutarão de lugar. Em caso contrário, não haverá mudança.

20 - BOM BARQUEIRO


Vou pedir ao bom barqueiro,

Licença pra passar,

Que eu tenho mulher e filhos,

Que me custam sustentar.
Passa, passa, bom homem !

A última que ficar

Que eu tenho mulher e filhos

Que me custam sustentar.


Formação – Roda: uma criança ao centro e, as outras, de mãos dadas. Fora da roda, uma criança.
Maneira de Brincar – A roda gira, cantando a primeira quadra. Ao terminá-la, pára e canta a segunda, batendo palmas no ritmo da melodia, enquanto a criança destacada entra na roda e volteia o "bom barqueiro". A seguir, escolhe uma companheira e saem as duas da roda. Esta gira para novamente cantar a primeira quadra. Ao terminá-la, pára e cata a segunda como foi explicado, enquanto as duas crianças entram na roda de seguinte maneira : a que fora escolhida, coloca as mãos na cintura da companheira a sua frente. Assim volteiam o "bom barqueiro" e após escolherem a nova criança, saem as três da roda.Prossegue o brinquedo aumentando progressivamente o número de crianças da fila, até que a roda desapareça.

21 - O CARACOL


De mãos dadas, vem brincar !

O caracol já vai entrar.

Vai entrando, vai entrando,Enrolando, enrolando;

A casinha para ele dá;Escondido bem está !


Formação – Roda: crianças de mãos dadas.


Maneira de Brincar – Uma das crianças, considerada a guia, enquanto todas cantam, deixa a mão da companheira que está à sua direita e entra na roda conduzindo as demais, sempre de mãos dadas, para formar o caracol. Em seguida, desenrolam-no formando-se novamente o círculo. Assim prossegue o brinquedo enrolando-se e desenrolando-se o caracol.

22 - CARAMBOLA


Se (nome da pessoa) é passageira,

Deixa ela passar;

Se papai e mamãe souberem,

Carambola virará.
Também somo passageiras,

Deixa nós passarmos;

Se papai e mamãe souberem,

Carambola virará.


Formação – Roda: uma criança fora e, as outras, de mãos dadas.


Maneira de Brincar – A roda gira enquanto a criança que está em destaque canta a primeira quadra na qual cita o nome de uma companheira. Esta deverá deixar as colegas e dar-lhe as mãos. A roda, sempre em movimento, responde cantando a segunda quadra. Novamente a criança canta a primeira quadra, chamando outra companheira que lhe vem fazer companhia.Assim prossegue o brinquedo, aumentando, progressivamente, a segunda roda até que a inicial desapareça.